Tamanho do texto

Ibovespa subiu 0,84%, a 59.921 pontos, após ter chegado a avançar 1,2% na máxima durante os negócios, acima dos 60 mil pontos

Reuters

Redução no preço da energia pressiona empresas
Getty Images
Redução no preço da energia pressiona empresas

A Bovespa encerrou os negócios desta quarta-feira em alta, apesar da queda histórica das ações de companhias elétricas na sessão, um dia após o governo anunciar redução das tarifas de energia e antecipar a renovação de concessões do setor.

Leia também:  Dólar sobe 0,52% após Banco Central defender piso de R$ 2

O Ibovespa subiu 0,84%, a 59.921 pontos, após ter chegado a avançar 1,2% na máxima durante os negócios, acima dos 60 mil pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 10,7 bilhões, acima da média diária do ano, de R$ 7,2 bilhões.

A sessão foi marcada pelo forte tombo das ações do setor elétrico, tradicionalmente vistas pelo mercado como papéis defensivos, mas que só nesta quarta-feira perderam cerca de 14,5 bilhões de reais em valor de mercado.

As mais castigadas foram Cesp, que derreteu 27,5%, Cteep, que desabou 24%, e Cemig, com baixa de 19,7%. Foi a maior queda diária da história dos três papéis.

Já o índice que reúne as ações de elétricas na Bovespa, o IEE, teve queda de 8,17%, na maior queda diária de fechamento em quase seis anos.

Investidores fugiram do setor depois que a presidente Dilma Rousseff anunciou na terça-feira que a tarifa de energia paga pelo consumidor cairá, em média, 20,2% no início de 2013.

Veja mais:  Brasil está em bom momento para investimento em ações, diz Santander

Isso será possível graças à redução ou extinção de encargos sobre a conta de energia e pela renovação antecipada e condicionada de concessões que venceriam a partir de 2015.

"Foi um dos piores pesadelos para o 'valuation' das ações do setor, já que o mercado atribuía chance muito pequena de tal resultado desfavorável para concessões", escreveram analistas do Credit Suisse em relatório nesta quarta-feira.

Entre as altas do Ibovespa, as ações ordinárias da B2W e as preferenciais da Usiminas lideraram os ganhos, com valorização de 9,19% e 8,04%, respectivamente.

Dentre as blue chips, a preferencial da Vale subiu 0,67%, a R$ 36,28, e a da Petrobras teve alta de 1,24%, a R$ 21,99. A ação ordinária da OGX avançou 2,01%, a R$ 6,61.

Na cena externa, investidores acompanharam a decisão da Corte Constitucional da Alemanha, que deu sinal verde para o fundo de resgate da zona do euro.

Os mercados também seguiam na expectativa de que o Federal Reserve (Fed), o banco central dos Estados Unidos, anuncie nova rodada de estímulo ao país na quinta-feira.

"Isso está dando um componente mais positivo para a bolsa e retirando um pouco da aversão ao risco dos mercados", avaliou o sócio da Órama Investimentos, Álvaro Bandeira, no Rio de Janeiro.

Em Wall Street, o índice Dow Jones fechou com variação positiva de 0,07%.

Por Danielle Assalve

    Leia tudo sobre: bovespa