Tamanho do texto

Expectativas com a aprovação do Mecanismo de Estabilidade Europeu na Alemanha, na quarta, e com o banco central americano, na quinta, impulsionaram os mercados

Agência Estado

O cenário externo deu o tom dos negócios nesta terça-feira e fez a Bovespa subir e voltar para os 59 mil pontos - nível que não atingia no fechamento desde o dia 22. As expectativas com a aprovação do Mecanismo de Estabilidade Europeu (ESM, na sigla em inglês) na Alemanha, na quarta-feira e com o banco central norte-americano, Federal Reserve (Fed), na quinta-feira, impulsionaram os mercados em meio a indicadores positivos dos EUA.

Internamente, Vale, Petrobras e siderúrgicas tiveram desempenho positivo e contribuíram para a performance da Bolsa. Por outro lado, o anúncio do pacote de medidas do setor elétrico levou as ações do setor a seguirem por caminhos distintos durante quase todo o pregão. No final, no entanto, apenas um papel registrava alta. Assim, o Ibovespa encerrou com valorização de 1,74%, aos 59.422,55 pontos. Na mínima, o índice atingiu 58.404 pontos (estável) e, na máxima 59.515 pontos (+1,90%).

LeiaGoverno fará aporte de R$ 3,3 bilhões para compensar energia mais barata

Com a alta desta terça-feira o índice passou a acumular valorização de 4,14% no mês e de 4,70% no ano. O giro financeiro ficou em R$ 7,275 bilhões. Na meia hora final de negócios na Bolsa, a presidente da Petrobras, Graça Foster, disse que não está trabalhando pela paridade exata, mas pela convergência de preços dos combustíveis e ressaltou ainda que a manutenção de caixa é fundamental para dar continuidade aos investimentos.

Com isso, as ações da petroleira ampliaram os ganhos, o que acabou contribuindo para a Bovespa renovar as máximas nos momentos finais. O papel ON terminou com ganho de 2,09% e o PN, +2,31%. Já no caso da Vale, pesou positivamente o preço do minério de ferro no mercado internacional. A ação ON registrou valorização de 2,82% e a PNA, +2,68%. As siderúrgicas e as mineradoras ainda foram favorecidas pela alta dos metais. Gerdau PN subiu 1,51%, Gerdau Metalúrgica PN, +2,56%, Usiminas PNA, +2,37% e Siderúrgica Nacional ON,+4,39%, sendo que as duas últimas figuraram entre os destaques de alta do Ibovespa.

MaisBrasil está em bom momento para investimento em ações, diz Santander

Mas, o destaque principal de alta foi Gafisa, que avançou 13,16%. A empresa anunciou que iniciou análise de opções estratégicas para sua divisão Alphaville, hoje explorada através de sua controlada Alphaville Urbanismo. Pela manhã, a presidente Dilma Rousseff confirmou o que havia antecipado na quinta-feira (6), que as quedas dos preços da energia serão de 16,2% para os consumidores e de um intervalo de 19% a 28% para as empresas a partir de janeiro de 2013.

O anúncio gerou dúvidas sobre os contratos de concessões que irão vencer mais para frente e o mercado reagiu dubiamente. No final, no entanto, embora nada tenha sido acrescentado, o lado negativo prevaleceu para os papéis do setor. A exceção foi Eletropaulo PN, +2,33%. O índice de energia elétrica terminou com declínio de 3,45%. No exterior, o Tribunal Constitucional da Alemanha confirmou nesta terça-feira que vai decidir sobre a legalidade do ESM e do pacto fiscal europeu, como estava previsto, apesar de uma moção apresentada no fim de semana por um parlamentar alemão ter ameaçado adiar o julgamento.

E aindaCom Deutsche Bank, setor bancário impulsiona ações europeias

Além disso, o ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Guido Westerwelle, declarou que o governo do país espera uma decisão favorável do tribunal. Nos EUA, o déficit comercial ficou em US$ 42 bilhões em julho, abaixo das estimativas de déficit de US$ 44,0 bilhões. O déficit de junho foi revisado para baixo, a US$ 41,9 bilhões, da leitura original de déficit de US$ 42,92 bilhões. Em Nova York, o índice Dow Jones terminou com ganho de 0,52%, o S&P 500 subiu 0,31% e o Nasdaq apenas 0,02%.

    Leia tudo sobre: Bovespa