Tamanho do texto

Banco está sob administração especial do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) após apresentar um rombo que chegou a R$ 3,1 bilhões

Agência Estado

O Banco Cruzeiro do Sul, que está sob administração especial do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) após apresentar um rombo que chegou a R$ 3,1 bilhões, informou nesta segunda-feira que desconhece a origem e a fonte das informações publicadas na imprensa de que não recebeu propostas de compra e de que o prazo para o recebimento dessas propostas foi adiado para a terça-feira (11).

Originalmente, esse prazo venceu na última sexta-feira (7). Conforme o comunicado, na próxima quinta-feira (13), o FGC divulgará informações referentes ao projeto de saneamento financeiro do banco que se encontra em curso, "para todo o mercado de forma igual conforme os termos da legislação de regência".