Tamanho do texto

Segundo especialistas, apetite por risco voltou aos mercados e o ambiente é favorável a ativos de risco

Agência Estado

O euro subiu para o nível mais alto em três meses frente ao dólar, depois de os dados do nível de emprego nos Estados Unidos em agosto alimentarem as expectativas de novas medidas de estímulo à economia por parte do Federal Reserve.

"O apetite por risco voltou aos mercados e o ambiente atual é favorável à maioria dos ativos de risco", disse Jon Jonsson, gestor do fundo EX-G4, do JPMorgan Chase.

A alta do euro obrigou participantes do mercado que apostavam em um declínio da moeda europeia a comprar, para evitar perdas adicionais no caso de a divisa continuar a subir. Esse movimento de cobertura de posições poderá levar o euro à casa dos US$ 1,28 a US$ 1,30 no curto prazo, disse Ken Jakubzak, da KMJ Capital.

Outros participantes do mercado disseram-se posicionados para os próximos eventos importantes no calendário: a decisão do Tribunal Constitucional da Alemanha sobre a legalidade do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM), na próxima quarta-feira, e o anúncio da decisão de política monetária do Fed, na quinta.

No fim da tarde em Nova York, o euro estava cotado a US$ 1,2817, nível mais alto de fechamento desde 21 de maio, ante US$ 1,2632 na véspera; o iene estava cotado a 78,27 por dólar, de 78,00 por dólar; o franco suíço estava cotado a 0,9438 por dólar, de 0,9225 por dólar no dia anterior; a libra estava cotada a US$ 1,6010, de US$ 1,5500 na quinta-feira. As informações são da Dow Jones.