Tamanho do texto

Indicadores ainda reagem ao anúncio do Banco Central Europeu de que vai comprar bônus soberanos de países endividados da zona do euro; mercados asiáticos fecharam em alta

Agência Estado

As principais bolsas europeias operam em alta na manhã desta sexta-feira, ainda sob o "efeito Draghi" e à espera da divulgação do relatório oficial do mercado de trabalho nos Estados Unidos (payroll), que sai logo mais. Por volta das 8h44 (horário de Brasília), a Bolsa de Londres subia 0,23%, Paris avançava 1,23% e Frankfurt tinha valorização de 0,84%. A Bolsa de Milão, por sua vez, registrava a melhor performance na região, com +2,26%, no mesmo horário. Já a Bolsa de Madri ganhava 0,42%.

Os mercados acionários ainda reagem à decisão anunciada na quinta-feira (6) pelo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, de financiar a dívida soberana de países da zona do euro em delicada situação fiscal. Dados econômicos alemães sobre a atividade industrial e a balança comercial, além da notícia de aceleração de investimentos em projetos de infraestrutura na China, contribuem para sustentar o sentimento positivo nos negócios. Com isso, o índice Stoxx Europe 600 era negociado nas máximas de 2012.

Veja maisBCE anuncia compra de bônus soberanos

Os ganhos eram liderados por ações cíclicas, ligadas à dinâmica da atividade econômica global. O setor financeiro também registrava ganhos robustos. O destaque corporativo ficava para as ações da Xstrata, após receber proposta da Glencore alterando os termos de uma provável fusão. Em Londres, as ações da Glencore figuravam entre os principais destaques de baixa, enquanto a Xstrata subia 5,7%.

Em nota, o Deutsche Bank's afirma que, com o BCE e Draghi "fora do caminho", as atenções se voltam para o payroll neste última dia da semana. A expectativa é de criação de 125 mil vagas de trabalho nos EUA no mês passado, o que manteria a taxa de desemprego em 8,3%. Em Nova York, por volta do mesmo horário, o futuro do S&P 500 subia 0,33% e o futuro do Nasdaq 100 avançava 0,37%. 

Ásia

As bolsas asiáticas encerraram a sessão de sexta-feira em alta, sentindo os efeitos positivos do anúncio feito na quinta-feira pelo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, de um plano para lidar com a crise de dívida da zona do euro. Também contribuíram para o bom desempenho na Ásia as notícias de que a China vai aumentar os investimentos em infraestrutura.

O índice Xangai Composto teve o melhor desempenho e fechou com elevação de 3,7%, aos 2.127,76 pontos, a maior alta diária porcentual desde 17 de janeiro, quando avançou 4,2%. Colaborou para os ganhos o anúncio de investimentos no setor de infraestrutura da China. Nos últimos dois dias a agência de planejamento do país informou que aprovou projetos para 25 linhas de metrô e 13 estradas desde abril, o que beneficiou as ações de construtoras. Jidong Cement atingiu o limite de alta de 10%, China Communications Construction subiu 7,5% e Shanghai Tunnel Engineering ganhou 6,9%.

Leia tambémBanco Central Europeu mantém taxa de juros na mínima recorde de 0,75%

A sessão na Bolsa de Tóquio foi marcada pela euforia depois que o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, anunciou um programa de compra de bônus dos governos europeus. O índice Nikkei fechou em alta de 2,2%, a 8.871,65 pontos. Foi o maior ganho porcentual para o índice desde 27 de março. Com a alta do dólar e do euro frente ao iene os investidores foram às compras no mercado nipônico.

As siderúrgicas apresentaram alguns dos melhores ganhos. Nippon Steel subiu 8,7% e JFE Holdings valorizou 11%. As montadoras e empresas de máquinas também registraram forte valorização, com os papéis da Honda Motor avançando 5,2%, enquanto Okuma Corp subiu 7,0%. Entre os fabricantes de instrumentos de tecnologia e precisão, Canon subiu 4,6%. Na Austrália, o índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, fechou em alta de 0,3% nesta sexta-feira, aos 4.325,80 pontos, depois de atingir a máxima de 1% durante os negócios da manhã.

AindaSetor privado dos Estados Unidos gera 201 mil empregos em agosto

A notícia de que o BCE decidiu ajudar a estabilizar a região conturbada da zona do euro com um programa de compra de bônus inicialmente animou os investidores. Os ganhos foram contidos, porém, no período da tarde pela expectativa em torno do relatório de emprego que o Departamento dos Estados Unidos deve divulgar nesta sexta-feira. Na Coreia do Sul, o índice Kospi, da Bolsa de Seul, terminou o dia em elevação de 2,6%, aos 1.929,58 pontos.

O plano de compra de bônus anunciado pelo BCE trouxe alívio aos investidores. Ao mesmo tempo, fabricantes de chips entraram na mira dos investidores, com a perspectiva de futuros lançamentos de produtos por parte das empresas de tecnologia. A Samsung Electronics subiu 4,5%.

O índice Hang Seng da Bolsa de Hong Kong fechou com alta de 3,1%, aos 19.802,16 pontos, com as ações de empresas ligadas a commodities liderando os ganhos. Na Bolsa de Taipé, em Taiwan, o índice Taiwan Weighted subiu 1,3%, para 7.424,91 pontos, e na Bola de Manila, nas Filipinas, o índice PSEi terminou o dia com +1,0%, aos 5.201,32 pontos. As informações são da Dow Jones.