Tamanho do texto

As taxas futuras reagiram em leve alta ao avanço de 0,3% da produção industrial

Agência Estado

As taxas futuras de juros reagiram em leve alta ao avanço de 0,3% da produção industrial em julho ante junho. O dado um pouco acima do esperado trouxe consigo uma melhora do segmento automotivo, como reflexo da redução do IPI, e de bens de capital. Ainda no campo das notícias positivas, o IPI menor também levou o varejo de veículos a bater recorde de vendas em agosto. Esse cenário doméstico favorável se sobrepôs ao exterior ruim, com o rebaixamento da perspectiva de rating da União Europeia e com os dados negativos dos Estados Unidos.

Assim, ao término da negociação normal na BM&F, a taxa projetada pelo DI janeiro de 2013 (376.795 contratos) estava na máxima de 7,27%, ante 7,25% no ajuste. Já a taxa do contrato de juro futuro para janeiro de 2014 (229.280 contratos) marcava 7,78%, ante 7,75% ontem. Entre os longos, o DI janeiro de 2017 (59.885 contratos) indicava 9,04%, de 8,98% na véspera, enquanto o DI janeiro de 2021, com giro de 5.185 contratos, apontava 9,61%, de 9,55% no ajuste.

Mais do que a pequena aceleração da indústria em julho, uma vez que um mês antes o resultado havia sido positivo em 0,2%, o mercado enxergou no dado um começo de semestre um pouco mais promissor. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção de bens de capital registrou alta de 1,0% em julho ante junho. Já a produção da atividade de veículos automotores subiu 4,9%, a segunda taxa positiva consecutiva, o que resultou em uma expansão de 8,1% nos últimos dois meses.

E o resultado da produção de veículos tende a seguir positivo. Nesta terça-feira a Fenabrave anunciou que o total de veículos emplacados aumentou 11,52% em agosto em relação a julho, para 580.843 unidades, o que representa um novo recorde para o setor. Anunciado em 23 de maio, a redução do IPI deixaria de vigorar no dia 31 de agosto, mas acabou prorrogado pelo governo para até o final de outubro.

Também no âmbito dos estímulos, a presidente Dilma Rousseff lançará na próxima terça-feira o pacote de medidas para reduzir o preço da energia elétrica. O intuito do governo é reduzir o custo da produção, mas analistas também afirmam que a energia mais barata ajudará no controle inflacionário, sobretudo em 2013.

O IPC-Fipe, que mede a inflação na capital paulista, subiu 0,27% em agosto, ante 0,13% em julho. O índice mostrou a disseminação do impacto da alta da soja e dos grãos na cadeia de proteínas animais. Além do frango e dos suínos, o preço das carnes bovinas abandonou a deflação de 0,34% e avançou a 0,54% no fechamento de agosto.

No exterior, em meio à cautela que prevalece nos mercados financeiros globais antes das reuniões de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira, e do Federal Reserve, na próxima semana, os indicadores ruins vindos dos Estados Unidos aprofundaram o clima de aversão ao risco que teve início com o fato de a Moody's ter colocado o rating da União Europeia (UE) em perspectiva negativa.