Tamanho do texto

Bancos chineses concederam US$ 144,43 bilhões em novos empréstimos em junho, atingindo maior nível em três meses e elevando esperanças de que o afrouxamento monetário está ajudando a conter a desaceleração

Reuters

Bancos chineses concederam 919,8 bilhões de iuans (US$ 144,43 bilhões) em novos empréstimos em junho, atingindo maior nível em três meses e elevando esperanças de que o afrouxamento monetário está ajudando a conter uma acentuada desaceleração da segunda maior economia do mundo.

O empréstimo bancário é uma peça central da política do banco central do país, pois ajuda nos esforços de apoio à economia em desaceleração, aproveitando a queda na inflação.

A leitura dos empréstimos em junho foi ligeiramente maior que as expectativas do mercado, de 910 bilhões de iuans, e acima dos 793,2 bilhões de  iuans de maio.

"Os dados mostraram que o ritmo dos empréstimos se estabilizou, o que é uma boa notícia. Isso vai se seguir a uma estabilização do crescimento do investimento na China", disse Xianfang Ren, economista da IHS Global Insight, em Pequim.

"A oferta de liquidez melhorou muito em junho comparado com maio e abril. Isso vai incentivar o investimento e a produção industrial nos próximos meses. Isso significa que a economia chinesa chegou ao ponto mais baixo no segundo trimestre."