Tamanho do texto

Contrato do petróleo Brent para agosto subia 2,91%, a US$ 94,02 o barril, em Londres; contrato do petróleo WTI para agosto avançava 3,44%, a US$ 80,36 o barril, em Nova York

Agência Estado

Os contratos futuros do petróleo operam em alta, após um plano para solucionar a crise da zona do euro emergir no primeiro dia da cúpula dos líderes da União Europeia, em Bruxelas, aumentando as esperanças de as autoridades solidificarão um acordo.

Zona do euro chega a acordo para união bancária e fiscal

Base monetária sobe 2,9% nos 12 meses até maio na zona do euro

Os líderes europeus disseram que fecharam um acordo sobre medidas para reduzir os custos dos empréstimos da Espanha e da Itália e que acelerarão os planos para a criação de um supervisor financeiro único para fiscalizar bancos na zona do euro. A declaração impulsionou o petróleo Brent, referência mundial para o petróleo, e o petróleo WTI, conhecido como o ponto de referência dos EUA, para os níveis mais altos desde quarta-feira. O anúncio final da cúpula está marcado para o fim do dia.

Uma perspectiva mais positiva para a recuperação da zona do euro tende a fornecer suporte para os preços do petróleo, à medida que a recuperação na região leve a um aumento da demanda pela commodity. Às 8h40 (horário de Brasília), o contrato do petróleo Brent para agosto subia 2,91%, para US$ 94,02 o barril, na plataforma ICE, em Londres. O contrato do petróleo WTI para agosto avançava 3,44%, para US$ 80,36 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex).

Na Dinamarca, os sindicatos disseram que não vão intensificar a greve, um anúncio que adia a possibilidade de uma queda maior da produção. A greve, que afetou 700 trabalhadores, provocou o fechamento de vários campos de óleo e gás no mar da Noruega. Os números oficiais mostram que a paralisação está reduzindo a produção em até 250 mil barris de petróleo, ou 15% da produção da Noruega.

Os investidores vão observar a divulgação do índice de atividade industrial regional ISM de Chicago de junho, às 10h45 (horário de Brasília), e os dados da Universidade de Michigan sobre a confiança do consumidor em junho, às 10h55 (horário de Brasília), em busca de pistas sobre a direção do mercado. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.