Tamanho do texto

Por volta das 15h10 desta terça-feira, o Ibovespa subia 1,89%, ajudado pelas ações da estatal, que avançavam em torno de 5%

A renda variável brasileira reconquista terreno nesta terça-feira, puxada pelas ações da Petrobras e acompanhando a melhora do humor internacional. Por volta das 15h10 desta terça-feira, o Ibovespa subia 1,89%, aos 57.258 pontos.

As ações preferenciais da Petrobras subiam 4,92% e ajudavam o índice a registrar ganho no dia. As ordinárias tinham alta de 5,49%. Os papéis preferenciais da Vale também tinham ganho no mesmo horário, de 2,17%.

Leia mais:  Governo se preocupa com caixa da Petrobras, diz Lobão

Índices europeus atingem maior alta em um mês

"Ainda não é o momento para sair comprando qualquer coisa", pondera o analista gráfico da Ágora Investimentos, Daniel Marques. Segundo ele, embora o Ibovespa tenha uma sequência de altas importantes no mês, ainda é preferível realizar operações isoladas. O profissional chama a atenção para o comportamento do volume financeiro a partir desta terça-feira, após os vencimentos de derivativos entre a última quarta-feira e ontem inflarem o giro.

LeiaMelhora externa abre espaço para queda do dólar

Para Marques, seria "interessante" se a Bolsa realizasse um pouco dos ganhos recentes, criando pontos de entrada para os investidores. "A Bolsa ainda precisa de uma configuração ascendente", diz, acrescentando que o rompimento do topo anterior, em 56,7 mil pontos, deixaria o quadro bem mais favorável, mas "não é o ideal".

O analista da Um Investimentos Eduardo Oliveira ressalta, em relatório, que os mercados financeiros permanecem cautelosos, aguardando, por exemplo, o pronunciamento final da cúpula do G20 e o desfecho da reunião do Federal Reserve, nesta quarta-feira. Nesse sentido, pondera Oliveira, os investidores devem seguir receosos e a volatilidade, latente.

MaisBolsas europeias sobem; mercados asiáticos fecham com perdas

A Europa, principalmente, ainda demanda cuidados. A Espanha realizou nesta terça-feira leilão de títulos de curto prazo , no qual captou um pouco mais que a quantidade desejada, mas pagou um retorno ao investidor (yield) bem mais elevado, na casa de 5%. Já a Grécia enfrenta hoje mais um dia de negociações para a formação de um governo de coalizão, liderado pelo conservador Nova Democracia.

No entanto, dados decepcionantes na Alemanha reacenderam expectativas de novos estímulos monetários, que podem fazer as bolsas terem um rali de curto prazo. Assim,  as principais bolsas o subiram nesta terça-feira , registrando a maior alta em um mês.

Já Wall Street só tem olhos para o Fed. Apesar de as apostas de adoção de uma terceira rodada de afrouxamento quantitativo (QE3) estarem mais fracas, há chances de que a Operação Twist seja renovada, estimulando, mesmo assim, a economia norte-americana.

Na agenda do dia, a construção de moradias nos EUA caiu 4,8% em maio , contrariando a previsão de alta de 0,4%. Já as permissões para novas construções subiram 7,9% no mês passado, acima da estimativa de avanço de 1,0%. O dado de construção de moradias em abril foi revisado em alta, de +2,6% para +5,4%.

    Leia tudo sobre: bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.