Tamanho do texto

Aumento das tarifas acompanha o cenário em que os brasileiros bateram, mais uma vez, recorde de gastos no exterior

De janeiro a junho, os valores médios das tarifas de operações de câmbio mais que dobraram nos bancos privados. As operações de venda e compra de moeda estrangeira envolvendo cartão pré-pago de viagem e a taxa de emissão do plástico acumulam o maior aumento, de 240%. As tarifas para transações com moeda estrangeira em espécie subiram 12% para venda e 110% para compra. No cheque de viagem, a variação na venda foi de 113% e na compra de 34%.

O levantamento foi realizado a partir dos dados de valores médios das tarifas de operações de câmbio manual, divulgados pelo Banco Central (BC) e apurados junto às instituições financeiras. O aumento das tarifas acompanha o cenário em que os brasileiros bateram, mais uma vez, recorde de gastos no exterior. Foram US$ 7,18 bilhões nos quatro primeiros meses do ano, crescimento de 7% em relação a igual período de 2011.

LeiaCalote em cartão de crédito chega a 27%

Os grandes bancos privados começaram a voltar seus olhos para o mercado de cartões pré-pagos em moeda estrangeira no ano passado, depois que o governo federal aumentou a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) no câmbio em cartão de crédito para 6,38%. Já os pré-pagos foram taxados em 0,38% e, assim, ficaram mais atrativos para os turistas.

Bradesco, Itaú Unibanco e Safra lançaram seus cartões pré-pago em 2011, só para correntistas. O mesmo fez o HSBC em abril deste ano. O Citibank planeja entrar no segundo semestre. O mercado ainda é dominado pelas casas de câmbio, que têm tarifas médias menores para as operações e são abertas para qualquer cliente. Em média, os turistas costumam carregar os cartões com 1.800 unidades da moeda estrangeira escolhida.

MaisEla tinha 16 cartões de crédito. Hoje, ensina educação financeira

“Um número maior de concorrentes é melhor para o mercado, mas os bancos grandes terão de ter tarifas mais competitivas para enfrentar as instituições de menor porte e as corretoras, que se especializaram nesse nicho e, por isso, têm tarifas mais atraentes”, observa o presidente da Associação Brasileira das Corretoras de Câmbio (Abracam), Liberal Leandro Gomes.

Os dados do BC mostram que os bancos Daycoval, Itaú Unibanco e Safra cobram tarifa máxima de R$ 50, R$ 30 e R$ 32, respectivamente, para as operações de câmbio em cartão pré-pago. Apesar de informarem os valores ao BC, as instituições alegam que as tarifas não são cobradas. O Daycoval explica que não existe custo no fechamento da operação. O Safra afirma que por “decisão comercial” a tarifa não vem sendo cobrada. Já o Itaú Unibanco diz que a existência do valor máximo deixa o banco autorizado a passar a cobrar pelo serviço, caso seja necessário.

Enquanto os bancos privados aumentaram as tarifas das operações envolvendo cartão pré-pago de viagem neste ano, nas casas de câmbio o movimento foi inverso. Dados do BC mostram que as tarifas para emissão e carga de cartão pré-pago tiveram queda de 10%. Para recarga e compra, caíram 14%.

LeiaVai para o exterior, mas o dólar está caro?

Contudo, a tarifa para venda de moeda estrangeira em espécie cresceu 92% em seis meses. “Para os clientes e para a corretora é mais seguro fazer as transações em cartão pré-pago, pois não envolve a moeda em espécie”, diz Gomes. Segundo ele, a maioria das corretoras não cobra tarifas para trocas em espécie (somente o IOF, que é obrigatório). Quando cobram, o custo tem relação com a quantidade de moeda trocada, pois valores baixos exigem o mesmo serviço que grandes trocas. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.