Tamanho do texto

Resultado das eleições gregas influencia os principais indicadores europeus nesta segunda-feira, que operam em alta, à exceção de Madri, Milão e Paris

O euro atingiu a máxima em um mês e as ações asiáticas subiram mais de 1,5% na segunda-feira após a votação grega entregar uma pequena maioria parlamentar aos partidos favoráveis ao resgate do país, resultado visto como crucial para os esforços dos líderes europeus para manter o euro unido.

O resultado das eleições gregas influencia as principais bolsas europeias nesta segunda-feira, que operam em alta, à exceção de Madri, Paris e Milão, que caem. O pleito, realizado no final de semana, foi vencido pelos conservadores do partido Nova Democracia, que defendem a permanência do país na zona do euro e acatam as medidas de austeridade defendidas pela União Europeia.

LeiaApós alívio na Grécia, G20 quer fortalecer euro e economia mundial

Por outro lado, o bloco da esquerda radical Syriza disse ao adversário que não ajudaria a formar governo, já que manterá sua oposição ao plano de resgate internacional grego.

Em Londres, o FTSE 100 sobe 0,22%, e, em Frankfurt, o DAX tem alta de 0,53%. Em Paris, o CAC 40 inverteu a tendência e passou a cair 0,26%, enquanto o indicador Ibex 35, da bolsa de Madri, tem queda de 1,90%, e, em Milão, o MIB cai 1,87%.

Ásia

A maioria dos mercados asiáticos fechou em alta acentuada nesta segunda-feira. Os investidores mostraram otimismo com o resultado das eleições na Grécia, no domingo, onde a direita pró-euro levou a melhor e deverá formar um governo de coalizão, diminuindo os temores de que o país irá deixar a zona do euro. 

Em Tóquio, o índice Nikkei subiu 1,77%, enquanto a Bolsa de Hong Kong fechou na maior alta em mais de um mês. O Hang Seng avançou 1% e terminou aos 19.427,81 pontos, o maior fechamento desde 15 de maio. O volume de negociações, contudo, foi fraco, o que indica que os investidores estão à espera das reuniões do G-20 e do FOMC, dos EUA.

TambémEsquerdistas admitem derrota na Grécia e prometem oposição

As Bolsas da China ficaram no campo positivo. O Xangai Composto subiu 0,4% e terminou aos 2.316,05 pontos. O Shenzhen Composto ganhou 1,1%, aos 964,71 pontos. Os produtores de cimento e algumas imobiliárias lideraram o rali. A Bolsa de Taipé, em Taiwan fechou em alta, com o aumento do apetite pelo risco após a vitória conservadora na Grécia. Entretanto, os investidores ainda aguardam o desmembramento da Cúpula do G-20, que termina amanhã. O índice Taiwan Weighted subiu 1,76%, aos 7.281,50 pontos.

Na Coreia do Sul, a Bolsa de Seul também entrou na onda de otimismo e encerrou o dia no azul. O índice Kospi avançou 1,81%, aos 1.891,71 pontos. Apesar da forte alta, o volume de negócios foi baixo, o que mostra, segundo analistas, que os investidores ainda não sabem que caminho tomar. A Bolsa de Sydney, na Austrália, fechou na maior alta em mais de cinco meses após a redução da aversão ao risco decorrente da eleição grega. O índice S&P/ASX subiu 1,96%, aos 4.136,90 pontos.

Já a Bolsa de Manila, nas Filipinas, teve acentuada recuperação. O índice PSEi avançou 2,4% e encerrou aos 5.050,41 pontos, com pesado volume de negociações. As informações são da Dow Jones.

(com AE)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.