Tamanho do texto

Segundo relatora da Associação Brasileira das Companhias Abertas, algumas demonstrações possuem informações diferentes no material apurado por auditores

Atrasos, divergência de dados, comentários vagos demais. Estes são alguns dos pontos criticados pelo Comitê de Orientação para Divulgação de Informações ao Mercado (Codim), que divulgou orientação sobre as melhores práticas para elaboração e divulgação de relatório anual, em evento durante a manhã de hoje. O material, elaborado voluntariamente por empresas de capital aberto no Brasil, reflete "o momento da companhia, seu desempenho durante o ano de referência e a influência no setor de atuação e seus mercados", aponta a ementa do Codim. Ainda são avaliados os segmentos de negócio, o perfil corporativo, as oportunidades e os riscos.

Leia também:  Comitê orienta companhias abertas sobre período de silêncio

Edina Biava, relatora da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca), afirma que algumas demonstrações possuem dados diferentes no material apurado por auditores e nos comentários da administração. Neste sentido, ainda há muito a ser feito, diz, apesar dos recentes avanços nas práticas de governança corporativa brasileira.

Para Adeildo de Oliveira, membro do Conselho administrativo do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon), o principal objetivo do relatório é promover visibilidade. "Não é uma repetição dos documentos anteriores, é uma manifestação qualitativa que mostra a essência da empresa". 

Os relatórios anuais divulgados pela Berkshire Hathaway, por exemplo, são referência para o mercado, exemplifica Geraldo Soares, coordenador do Codim. Neles, o megainvestidor Warren Buffet agrega humor, fluência textual e algumas pistas sobre sua percepção econômica, capazes de mobilizar os investidores.

Nos Estados Unidos, a divulgação do documento é obrigatória. Segundo Soares, o público mudou. Já não são os analistas setoriais que se debruçam sobre os relatórios, mas jornalistas, acadêmicos, novos acionistas e potenciais investidores. "O discurso tem de se adaptar a este cenário", diz o executivo.

O ideal é sobrepor a essência à forma, afirma Marco Antonio Muzilli, relator do Codim. "Não é qualquer tipo de informação que beneficia o público. É preciso evitar obviedades e não distorcer a percepção do leitor. As demonstrações devem ser completadas com notas explicativas", afirma Muzilli.

Os atrasos de divulgação também despertam críticas da entidade, que recomenda que os relatórios sejam entregues antes da assembleia geral, o que corresponderia ao mês de março. "O relatório anual é essencial para o acionista, mas leva de cinco a seis meses para ser feito. Apesar de complexo, não é justificável entregá-lo depois da assembleia de acionistas. É uma questão de respeito", conclui Edna.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.