Tamanho do texto

Mercuria Energy Trading S.A. arrematou com ágio de 22,2% o lote de 530 mil títulos de crédito de carbono leiloados na última terça-feira

A empresa suíça Mercuria Energy Trading S.A. arrematou com ágio de 22,2% o lote de 530 mil títulos de crédito de carbono – conhecidos como reduções certificadas de Emissão (RCEs) – leiloado na terça-feira (12) pela prefeitura de São Paulo, na sede da BM&F Bovespa.

Das cinco empresas habilitadas a participar, apenas três fizeram ofertas. O leilão, o quarto do gênero, durou cerca de meia hora. O preço mínimo foi 2,7 euros por título, que equivale a 1 tonelada de crédito de carbono. A empresa suíça pagou 3,3 euros por título.

Veja mais:  Crise global deve atrasar desenvolvimento da economia verde

Caixa vai negociar créditos de carbono

Esses valores são bem inferiores aos do primeiro leilão de crédito de carbono ocorrido na BM&F Bovespa, no dia 23 de setembro de 2007. Na ocasião, o preço mínimo de cada título foi 12,7 euros, e o valor final ficou em 16,2 euros.

O secretário municipal de Finanças, Mauro Ricardo Costa, disse que essa desvalorização decorre da própria dinâmica do mercado. “Infelizmente, houve uma queda da atividade econômica no mundo e esse título perdeu valor”, justificou.

Mesmo assim, o secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente, Carlos Roberto Fortner, avaliou como positivo o resultado do leilão. “Valeu a pena dispor do patrimônio porque o dinheiro será aplicado em obras de melhorias do meio ambiente.”

Mauro Ricardo Costa informou que a prefeitura ainda tem disponível 820 mil títulos de crédito de carbono, mas não há previsão para a data de venda.  (Marli Moreira)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.