Tamanho do texto

Expectativa de que o presidente do Banco Central dos EUA anuncie estímulos à economia animou os mercados globais nesta quarta

A Bovespa mostra alta consistente na tarde desta quarta-feira, acompanhando o avanço das bolsas americanas e corrigindo parte das perdas de ontem, quando recuou 1,75% e chegou a perder o suporte dos 53 mil pontos, sem maiores razões, com volume financeiro fraco. O Ibovespa fechou em alta de 3,19% nesta quarta-feira, aos 54.156 pontos.

Leia mais:  Mercados na Europa fecham com forte alta, de olho no Fed

No mercado de câmbio, o dólar firma movimento de alta nesta quarta-feira, descolado dos pares externos e da melhora de humor que pauta o cenário internacional. Por volta das 16h10, o dólar comercial apontava alta de 0,84%, a R$ 2,034 na venda.

Em Wall Street, o Dow Jones e o S&P 500 tiveram a maior alta do ano. O Dow Jones ganhou 2,37%, Nasdaq avançou 2,40% e S&P 500 teve alta de 2,30%. Na avaliação do economista-chefe da Prosper Corretora, Eduardo Velho, a bolsa brasileira passa por uma recuperação técnica após a queda injustificada de ontem e acompanha o clima positivo dos mercados internacionais.

Veja também:  Cruzeiro do Sul vendeu R$ 115 milhões em ações pouco antes de intervenção

"Há expectativa de que o [presidente do Fed, Ben] Bernanke sinalize um novo quantitative easing [pacote de medidas de estímulo à economia] no discurso que fará amanhã, caso os indicadores americanos continuem mostrando fraqueza".

É exatamente a expectativa de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) pode tomar novas medidas de estímulo que faz a moeda americana perder valor de forma generalizada, menos no mercado brasileiro.

Além disso, o economista da Prosper acredita que os mercados trabalham com a possibilidade de socorro aos bancos espanhóis por parte do fundo europeu de ajuda aos países endividados da região.

"Se isso não se confirmar logo, pode haver um aumento do estresse conforme se aproxima a eleição na Grécia, no fim da próxima semana."

Entre as ações mais negociadas na bolsa, Vale PNA avança 3,14%, Petrobras PN ganha 1,97% e OGX ON dispara 9,03%.

Na ponta de alta lideram MMX ON (8,39%), Brookfield ON (7,05%), Rossi ON (6,53%) e B2W ON (6,53%), papéis que foram bastante penalizados nos últimos pregões.

Entre elas Localiza ON (-4,64%), Usiminas ON (2,67%) e Gafisa ON (-2,29%).

Fora do Ibovespa, destaque para Iochpe-Maxion ON, que avança 9,06%, após a empresa desistir de realizar uma oferta de ações devido às condições desfavoráveis do mercado.

As ações PN do Cruzeiro do Sul, que voltaram a ser negociadas hoje após a intervenção do Banco Central, estão em leilão na Bovespa até 16h19. Antes disso, valiam R$ 5,00, com baixa de 34,21%. Já os grandes bancos acompanham o clima positivo de seus pares lá fora: Santander Unit (3,21%), Itaú PN (3,64%), Bradesco PN (4,11%) e Banco do Brasil ON (1,91%). 

Bovespa teve pior maio desde desde 1998

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.