Tamanho do texto

Segundo a organização, movimento está relacionado com a redução da entrada de capitais em países emergentes, fruto de uma reavaliação das estratégias dos investidores

O Banco de Compensações Internacionais (BIS), o fórum das autoridades monetárias das maiores economias do mundo - incluindo o Brasil -, advertiu ontem para a maior pressão sobre o real frente ao dólar causada pela política de redução da taxa básica de juros pelo Banco Central.

A oscilação, diz a entidade em seu relatório trimestral, tem relação com a redução da entrada de capitais em países emergentes, fruto de uma “reavaliação pelos investidores sobre a resiliência do crescimento nas economias emergentes”, entre elas, China e Brasil.

BC corta juro para 8,5% e poupança muda

De acordo com o relatório, a atual conjuntura marca “o fim do momento de otimismo” que havia cercado o segundo semestre de 2011, em especial após os “sinais de crescimento mais frágil nos Estados Unidos e na China”. Em razão da nova desaceleração da atividade global e das dúvidas “sobre a saúde financeira de alguns países e bancos da zona do euro”, a economia mundial reverteu “o breve” aumento dos fluxos de capital nos dois primeiros meses do ano. “Os fluxos para mercados emergentes se desaceleraram a partir de março”.

Para os presidentes de BCs, essa perda de ritmo se refletiu na perda progressiva de interesse dos bônus emitidos em mercados emergentes, que “decaíram acentuadamente a partir do fim do primeiro trimestre, em especial se comparados com o início do ano”.

Na América Latina e no Leste Europeu, a redução do fluxo de capital foi mais perceptível. “Respondendo à redução do crescimento e às baixas pressões inflacionárias, o Banco Central do Brasil cortou o juro em 0,75 ponto porcentual para 9% em abril. (...) Isso põe maior pressão no real, que se desvalorizou em comparação ao dólar em abril”, diz o relatório. Na semana passada, o BC brasileiro fez novo corte, dessa vez, de 0,5 ponto porcentual na taxa básica de juros, levando a Selic a 8,5% ao ano. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.