Tamanho do texto

Seguradora, que estuda voltar a usar nome AIG, investirá US$ 130 milhões no Brasil para tentar atingir meta de US$ 1 bi de faturamento no País em cinco anos

A seguradora americana Chartis, ex-AIG, vai investir US$ 130 milhões no Brasil para entrar no mercado de seguros de automóveis. Esse é o primeiro passo que a companhia dá na tentativa de alcançar faturamento de US$ 1 bilhão no mercado brasileiro no prazo de cinco anos.

O seguro de carros é o segmento mais disputado dentro do mercado segurador brasileiro. Liderado pela Porto Seguro, BB & Mapfre e Bradesco, as vendas dessas apólices movimentaram R$ 7,2 bilhões em prêmios de janeiro a abril deste ano, segundo os dados mais recentes da Superintendência de Seguros Privados (Susep).

Leia:  Agora com o nome Chartis, AIG volta a investir no País

O seguro de automóvel da Chartis começou a ser testado em Belo Horizonte, depois vai para o interior de Minas, para mais três meses de testes, e em seguida chega a outros Estados, disse à Agência Estado o presidente da Chartis no Brasil, Guillermo Leon.

A estratégia será vender seguros de veículos por meio de uma plataforma eletrônica, pela qual o cliente pode contratar apólices pela internet e escolher os serviços extras que quer.

Acompanhe:  Brasil é estratégico para a AIG, diz CEO

No Brasil, a Chartis é conhecida por operar no mercado de grandes riscos. Antes da crise mundial, quando se chamava AIG, a seguradora tinha uma empresa com o Unibanco. Em meio aos problemas financeiros nos Estados Unidos, foi forçada a se desfazer dessa empresa e vender sua parte para o banco brasileiro. Em seguida, já com o nome Chartis, resolveu operar sozinha no Brasil e desde 2009 vem se reestruturando. Em 2011, faturou aqui US$ 200 milhões.

Atualmente, a operação brasileira ocupa a 18.ª posição no faturamento global do grupo AIG, que atua em 130 países, e a meta é que o País fique entre as dez maiores operações da seguradora no mundo em cinco anos. Além da área de grandes riscos, a Chartis também opera com outros produtos, como seguros de vida em grupo e apólices para viagens. Após a entrada no mercado de automóveis, a meta é entrar em outros segmentos, oferecendo os seguros na mesma plataforma online dos produtos para carros.

Dentro da estratégia de acelerar o crescimento no mercado brasileiro, a Chartis já cogita voltar a usar no Brasil a marca AIG. Leon explica que a recuperação da matriz nos Estados Unidos, que quase faliu por conta da crise financeira mundial em 2008 e precisou ser socorrida pelo governo americano, abre espaço para a volta do nome. Cada país tem a opção de voltar a usar o nome AIG.

“A mudança está em estudo aqui. A marca foi muito abalada pela crise, mas esse fato já está superado”, disse. Pesquisas da seguradora mostram que a marca AIG ainda é muito conhecida no Brasil, resquício da parceria com o Unibanco, que durou dez anos.

Dentro desse projeto de crescimento, a Chartis está contratando 100 pessoas no Brasil este ano. Também vai abrir escritório em Belo Horizonte e estuda abrir outro no Sul ou na Bahia. Recentemente, foi aberta uma unidade no Rio de Janeiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.