Tamanho do texto

Presidente da associação vê diversificação dos volumes aportados e das regiões geográficas onde há oportunidades de investimento

Os investimentos na indústria de private equity e venture capital no Brasil devem crescer 20% este ano, após somarem US$ 7 bilhões no ano passado, informou nesta segunda-feira a Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (ABVCAP). Segundo o presidente da entidade, Clovis Meurer, esses aportes devem ser destinados a setores como energia, consumo, serviços, agronegócio e turismo. "Vemos uma diversificação muito grande no número de investimentos e no número de fundos", afirmou Meurer, que ressaltou haver ainda um deslocamento geográfico para regiões antes pouco exploradas, como Norte e Nordeste.

Leia : Fundos de private equity estão cautelosos, diz ABVCAP

Meurer fez o pronunciamento em coletiva de imprensa ao lado de Fernando Borges, vice-presidente da associação e diretor do Carlyle Group, e de Josh Lerner, professor de investment banking da Harvard Business School. Para Lerner, há motivos para otimismo e preocupação na indústria de private equity brasileira. "Há um mercado superaquecido e com muita volatilidade, mas vemos fundamentos de longo prazo presentes, e, por isso, o otimismo", ressaltou o economista, que vê um grande número de fundos intermediários atuando mais no mercado, enquanto os fundos maiores podem se conter um pouco devido à instabilidade.

Esse ambiente volátil acaba se refletindo em uma das formas que os fundos de private equity usam para sair das empresas investidas: o IPO, ou oferta pública inicial de ação. Algumas companhias e fundos já começaram a sentir na pele esse cenário adverso. A CVC, por exemplo, optou por cancelar sua oferta de ações devido às condições de mercado. "A bolsa está mais madura, mas não é a de 2007, quando você comprava qualquer coisa. Isso é uma coisa boa, porque não é qualquer papel que será levado à bolsa", afirma o presidente da ABVCAP.

Mais : Saiba o que são private equity, venture capital e capital semente

No entanto, não é o caso de falar de uma falta de capitalização dos fundos, adverte Borges. "Nos últimos meses tivemos de oito a dez fundos que captaram mais de US$ 1 bilhão. A indústria está capitalizada", afirmou.