Tamanho do texto

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou que o BC está comprometido com o sistema de metas de inflação e isso é fundamental para o País, em sua participação em evento para empresários do setor financeiro em São Paulo. Meirelles apontou que existe um engano que ainda ocorre por parte de alguns agentes econômicos no Brasil que defendem um processo de expansão forte da demanda pois "quanto mais demanda melhor", mesmo que seja num certo momento superior à capacidade de oferta.

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou que o BC está comprometido com o sistema de metas de inflação e isso é fundamental para o País, em sua participação em evento para empresários do setor financeiro em São Paulo. Meirelles apontou que existe um engano que ainda ocorre por parte de alguns agentes econômicos no Brasil que defendem um processo de expansão forte da demanda pois "quanto mais demanda melhor", mesmo que seja num certo momento superior à capacidade de oferta.<p><p>Segundo ele, essas pessoas ponderam que, com a demanda muito vigorosa, as empresas vão investir mais e ampliar bastante a capacidade de produção e "se tiver um pouco de inflação, não tem problema porque recupera isso lá na frente". O presidente do BC destacou que "esse é um raciocínio que usamos há décadas e não funcionou". <p><p>Para Meirelles, o importante para as empresas é que os investimentos requerem um certo tempo para maturar e, nesse intervalo de tempo, enquanto a ampliação da Formação Bruta de Capital Fixo não torna efetivo o aumento da produção das companhias, ocorre inflação.<p><p>"A demanda em última análise vai sempre se equilibrar em relação à oferta", comentou. Segundo Meirelles, essa harmonia vai ocorrer de duas formas. "Uma delas é a inflação, sobem os preços e a demanda cai. É o controle sem controle, não tem um piloto no manche. Esta é a dificuldade desse negócio. Descontrola-se e a partir daí temos um problema de imprevisibilidade". A outra forma de controlar a inflação, destacou Meirelles, é ter o Banco Central no manche da economia. "Evidentemente o BC não vai exagerar. Vai deixar a demanda suficientemente aquecida de maneira a dar condições aos empresários de projetar vendas à frente e investir o máximo possível, que é o que acontece no Brasil nos últimos anos", comentou. "E se formos ver a trajetória de inflação no Brasil, veremos uma trajetória equilibrada e o crescimento aumentando", disse.<p><p><b>Riscos</b><p><p>Meirelles destacou também que no Brasil ainda há vozes que questionam até que ponto há problema em assumir um pouco mais de risco de inflação. "Na minha avaliação, tem", ressaltou. "Um dos segredos desse crescimento que o Brasil atingiu nos últimos anos é a previsibilidade (da economia) e o fato de se ter uma inflação previsível", disse. De acordo com o presidente do BC, uma economia estável e balizada sob o signo da previsibilidade traz benefícios muito grandes ao País, como uma taxa de juro real menor, dado que este indicador não incorpora a imprevisibilidade e o risco de inflação.<p><p>Além disso, a previsibilidade do ritmo de expansão da economia com inflação sob controle amplia o horizonte de planejamento das empresas, o que, por sua vez, estimula os investimentos no curto prazo e gera mais empregos, aumento de renda da população e bem-estar social. Os comentários de Meirelles foram feitos durante palestra no Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças São Paulo (IBEF SP).
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.