Tamanho do texto

Governo irá mexer na alíquota nos setores indicados no programa Brasil Maior, afirmou ministro da Fazenda

selo

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse há pouco que terá encontros esta semana com representantes de cinco setores manufatureiros para tratar da desoneração da folha de pagamentos . "Vamos mexer na alíquota e vamos ampliar (a quantidade de setores) indicados no programa Brasil Maior", afirmou.

Leia também: Sem medidas, dólar estaria abaixo de R$ 1,40, afirma Mantega

O programa contava com desoneração para apenas três setores: confecção, calçados e tecnologia da informação. "Aquilo foi apenas um primeiro momento, um aperitivo, um ensaio", comparou. "Agora estamos mais prontos, temos mais segurança. Faremos um anúncio com mais setores e com alíquota menor", continuou.

Para Mantega, a desoneração da folha de pagamentos é uma das prioridades do governo, um dos principais instrumentos. "No mundo, estão reduzindo o custo do trabalho. Estamos aqui em outro momento, não podemos falar em baixar salário. Não é nosso caminho", comentou. "Nosso caminho é reduzir custo, não salários", acrescentou, durante audiência na CAE do Senado.

Leia também: Produção industrial cai 2,1% em janeiro

De acordo com o ministro da Fazenda, a principal preocupação do governo hoje é com o "sofrimento da indústria". "O Brasil não vai ficar sem indústria, não vamos abandonar a indústria. País que só tem commodities não é país forte. Precisamos da indústria", disse. "Reduzir custo para aumentar a competitividade da produção industrial, essa é uma pauta permanente do governo."

Questionado sobre a possibilidade de a Coreia ser um exemplo para o Brasil, o ministro afirmou não crer que o país asiático esteja melhor, por depender demais do mercado externo e ter uma previsão de crescimento menor. "Onde ficamos atrás, é que durante 20, 30 anos, a Coreia investiu mais em educação", disse Mantega.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.