Tamanho do texto

Segundo ministro, governo tem instrumentos para conter a valorização excessiva do real caso seja necessário

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta segunda-feira que o mundo vive atualmente uma "guerra cambial" que ameaça a competitividade brasileira, reiterando que o governo tem instrumentos para conter a valorização excessiva do real se for necessário.

Ele ponderou que há expectativas de "uma calmaria" após o processo de capitalização da Petrobras, mas se isso não ocorrer o governo tem seu arsenal para agir.

O ministro disse ainda que o governo não pretende taxar investimentos estrangeiros. Ele lembrou, no entanto, que o país já tomou, no ano passado, medidas para conter a entrada excessiva de capital de curto prazo como a adoção de IOF sobre aplicações externas em ações e renda fixa.

Mantega citou também que o governo já vem comprando mais dólares no mercado à vista, fazendo com que as reservas internacionais do país superem US$ 270 bilhões.

"Vivemos hoje uma guerra cambial internacional, uma desvalorização cambial generalizada. Isso nos ameaça porque tira a nossa competitividade", afirmou durante evento em São Paulo.

Mais tarde, Mantega acrescentou que a intensificação da competição comercial depois da crise global "tem uma vertente cambial muito forte".

"Os países estão procurando desvalorizar suas moedas, estou falando até de Estados Unidos, Europa e Japão. Os países avançados também estão empenhados em desvalorizar suas moedas."

O dólar operava praticamente estável nesta sessão, cotado a 1,712 real, mas no mês acumula queda de mais de 2,5%.