Tamanho do texto

A menos de três meses do final de seu segundo mandato, presidente evitou falar de política e eleições

Com um discurso em tom de despedida, a menos de três meses do final de seu segundo mandato, o presidente Lula inaugurou em Angra dos Reis a plataforma P-57, da Petrobras, que será enviada para o campo de Jubarte, no Espírito Santo. Lula evitou falar de política, tratou do fim de seu mandato, mas sem fazer menção à candidata a sucessão presidencial, Dilma Rousseff. O evento organizado pela Petrobras foi politizado, em apoio à petista, pelos sindicalistas que estiveram presentes.

A única referência às eleições de Lula foi sobre o governo do Estado do Rio, ao parabenizar a reeleição de Sergio Cabral, e sobre o Espírito Santo, já que o governador Paulo Hartung, presente no evento, conseguiu eleger o aliado Renato Casagrande com mais de 80% dos votos. Lula brincou que, quando chegar o final de seu mandato, ele não vai querer entregar a faixa presidencial.

"No dia 31, quando der meia-noite, eu ainda não vou entregar a faixa. Eu to pensando em colar a bichinha na barriga, com uma cola daquelas que não larga, e sair correndo", brincou o presidente. Lula se emocionou durante o discurso do governador do Rio.

Durante a fala, Cabral disse que o presidente Lula "vai deixar muitas saudades". Neste momento, diversos trabalhadores presentes pediram o retorno de Lula, ao grito de "volta, volta".

Em discurso de 25 minutos, o presidente disse que, quando entregar a faixa presidencial, terá a convicção de ter feito um mandato republicano. Disse ainda que, em seu modo de fazer política, jamais deixou de atender a algum prefeito ou governador devido ao partido político a que pertence. "Não é assim que eu faço política. Eu tenho divergência com muita gente, mas, como presidente, eu não sou o meu partido, eu sou o presidente de 190 milhões de brasileiros e eu trato todo mundo em igualdade de condições", disse.

Sergio Cabral não tratou da sucessão presidencial, mas comparou os oito anos de Lula a governos anteriores. "Precisou entrar um companheiro de vocês na Presidência da República, um metalúrgico, para voltarmos a construir uma usina, após 30 anos sem uma nova siderúrgica", disse.

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, fez apenas uma referência política em seu discurso, que foi um agradecimento à orientação do presidente Lula de elevar o percentual de conteúdo nacional das plataformas e navios a serem usados pela estatal e de retomar a indústria naval nacional. Este foi justamente o mote utilizado pelo presidente do Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore, Ariovaldo Rocha, em seu discurso.

"Somos gratos, presidente Lula, principalmente, por resgatar a esperança que andava adormecida nesse país. Queremos lembrar a todos que tenham consciência, tenham relevância, uma preponderância, no dia 31 de outubro, sigam aquilo que está acontecendo no Brasil. Não entrem em desafio, porque já ouvi governos anteriores dizendo 'para quê construir navios no Brasil, se eu posso importar mais barato?' (...) Senhores, fiquem com Deus, e sucesso no dia 31", disse.

O coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP), João Antonio de Moraes, foi bem mais explícito e pediu, aos trabalhadores presentes, que não voltem atrás. "Estamos em momento central da nossa história, porque novamente aqueles que pensavam assim põem a cabeça para fora e querem retomar o retrocesso no nosso país. Temos o desafio de dizer que o Brasil não aceita mais voltar atrás", disse.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Angra, Paulo Inácio, reclamou do fato de não poder fazer o cumprimento usual entre os trabalhadores, que desejam bom dia aos outros fazendo brincadeira com a candidata petista, com o termo "tenha um bom Dilma". "A gente não pode usar aquele nosso bom dia, mas com certeza vamos ser vitoriosos", disse.

Os trabalhadores presentes carregavam uma faixa com a frase "Senhor presidente, obrigado por acreditar no nosso trabalho. Agora é festa". Mas era perceptível que a palavra festa foi escrita sobre o nome de Dilma.

    Leia tudo sobre: Lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.