Tamanho do texto

SÃO PAULO - A forte participação dos bancos estatais no sistema financeiro nacional é uma vantagem neste momento de dificuldade global. A avaliação é do presidente Luiz Inácio Lula da Silva que mencionou o movimento de nacionalização que vem crescendo entre sistemas financeiros internacionais.

O presidente também voltou a falar das dificuldades de crédito no mercado externo.

"O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), o Banco do Brasil e a Caixa representam quase 50% de todo o crédito do país. Isso representa uma segurança que nos permite olhar para o resto do mundo e dizer que aqui estamos mais seguros", ressaltou.

Ele destacou, no entanto, que embora haja solidez no sistema financeiro nacional, o aperto de liquidez notado no exterior gerou efeitos negativos no Brasil. Um deles é a disputa de grandes e pequenas empresas pelos poucos recursos disponíveis no mercado interno, devido à escassez de dinheiro lá fora.

Um pouco menos duro em relação aos altos níveis de spread bancário, hoje o presidente afirmou que a "seletividade" gerada com a demanda maior por crédito local acabou elevando o spread, "que ficou muito caro". "O Brasil não está livre dessa crise. A diferença é que enquanto alguns países entrarão em recessão, o Brasil sofrerá desaceleração do crescimento."
Em seu discurso durante recepção ao primeiro-ministro dos Países Baixos, Jan Peter Balkenende, na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) o presidente voltou a mencionar que a crise é uma lição do século que deve resultar em novas normas, regulações e aumento fiscalização do sistema financeiro internacional. "Todos os governantes com quem tenho conversado, inclusive o primeiro-ministro dos Países Baixos, estão convencidos da necessidade de maior regulação e fiscalização"
Lula também brincou ao afirmar que está rezando mais para o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, do que para si mesmo. Segundo ele "o buraco é muito grande" e o novo dirigente americano precisa tomar as medidas acertadas contra a crise.

(Bianca Ribeiro | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.