Tamanho do texto

Advogados chegaram a oferecer R$ 1,63 milh?o como fianca

O diretor geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, teve o direito de aguardar o julgamento em liberdade negado, nesta segunda-feira (16/05), em Nova York.

O executivo é acusado de assédio sexual e tentativa de estupro. Os advogados de defesa chegaram a oferecer US$ 1 milhão (R$ 1,63 milhão) como fiança.

Visivelmente cansado e abatido, desde sábado (14) Strauss-Kahn é acusado de ter abusado sexualmente e tentado estuprar uma camareira do hotel Sofitel, em Times Square, onde estava hospedado em Manhattan. No domingo (15), ele foi liberado para fazer exames de corpo de delito.

Strauss-Kahn é rival do atual presidente Nicolas Sarkozy na eleição presidencial da França, no próximo ano. O executivo afirma ser inocente, mas o escândalo já abala as suas aspirações políticas e também o mercado financeiro.