Tamanho do texto

Nanquim (China), 30 nov (EFE).- A 12ª Cúpula entre China e União Europeia, realizada hoje na cidade chinesa de Nanquim, foi marcada por muita tensão, já que Pequim considerou injustas as críticas à instabilidade do iuane e pediu a Bruxelas que dê exemplo e prometa que reduzirá a emissão de gases poluentes na cúpula de Copenhague.

Normalmente moderado, o premiê chinês defendeu com veemência a política econômica do país ao afirmar, na presença do presidente da Comissão Europeia (órgão executivo da UE), José Manuel Durão Barroso, que é "injusto" que o bloco lhe peça uma valorização de sua moeda.

A UE pressionou ontem Wen para que fosse realizada uma apreciação do iuane "gradual e ordenada", mas o primeiro-ministro chinês reagiu às pressões justificando a medida e afirmando que a estabilidade da divisa "é crítica para a estabilidade econômica da China".

"No contexto de uma crise financeira internacional de um tipo pouco comum na história, manter a estabilidade básica do câmbio do iuane beneficiou o desenvolvimento econômico da China e a recuperação econômica mundial", assegurou.

"Agora alguns países (em alusão à UE e os Estados Unidos), por um lado, querem que o iuane aumente seu valor, e por outro, realizam um protecionismo descarado contra a China", disse o primeiro-ministro chinês.

O espanhol Joaquín Almunia, comissário europeu de Assuntos Econômicos e Monetários, afirmou que os chineses "são conscientes" de que um iuane abaixo de seu valor real é o que gera "tensões protecionistas".

Contudo, Wen disse que os problemas comerciais devem ser resolvidos para que não se caia no protecionismo, e que seu país e a UE deveriam cultivar uma "confiança mútua" e atuar "como amigos, não como rivais".

Ele deu estas declarações também diante do primeiro- ministro da Suécia, Fredrick Reinfeldt, que ostenta a Presidência rotativa da UE.

Faltando mais de uma semana para a Conferência da ONU sobre a Mudança Climática, de 7 a 18 de dezembro em Copenhague, Wen também falou sobre o pedido da UE para que a China melhore a proposta sobre a redução da emissão de gases poluentes apresentada semana passada.

Wen ressaltou que o compromisso anunciado por seu país é "sério", com base em estudos de viabilidade e em um planejamento "científico e consistente com a realidade".

Na semana passada, Pequim ofereceu uma redução de entre 40 e 45% de sua intensidade de carbono para 2020 (emissão de dióxido de carbono por unidade de PIB) em relação a 2005. Entretanto, o compromisso está condicionado ao desenvolvimento econômico do gigante asiático.

Um dia antes, os EUA anunciaram que caíram as emissões em 17% para 2010 também com base em 2005, enquanto a UE ofereceu redução em 20% e até 30% para 2020, em comparação a 1990, se houver acordo.

As perguntas parecem ter irritado Durão Barroso: após a assinatura de projetos bilaterais nos âmbitos ambiental e de cooperação, ele cancelou uma sessão de perguntas com a imprensa.

Horas depois, Wen propôs à UE, durante o encerramento da quinta cúpula de negócios China-UE - paralela ao encontro político -, estimular a cooperação em alta tecnologia e em experiências de energias limpas, abrir mais os dois mercados e "evitar toda forma de protecionismo".

A cúpula, apesar de colocar em evidência diferenças entre ambas as partes, deu lugar, segundo Barroso, a "conversas que mostram a maturidade de nossa relação, que se desenvolve sem complexos e sem rivalidades".

"A UE representa a maior economia do mundo, ao passo que a China é o país que mais se desenvolve em todo o planeta. Por isso uma boa coordenação interessa a ambas as partas", afirmou Wen. EFE jad/dp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.