Tamanho do texto

Teerã, 5 dez (EFE).- O Irã precisa de pelo menos 20 centrais de enriquecimento de urânio para poder alimentar com combustível suas usinas nucleares, assegurou hoje o diretor-geral do organismo iraniano de energia atômica, Ali Akbar Salehi.

Em declarações divulgadas pela televisão estatal "PressTV", o chefe negociador iraniano disse, além disso, que seu país não se retirará do tratado de não-proliferação nuclear, porque, em sua opinião, essa seria a estratégia do ocidente.

"Para alimentar com combustível nossas usinas nucleares, precisamos ter 20 centrais de enriquecimento de urânio. O objetivo é gerar 20 mil megawatts de eletricidade nos próximos 20 anos", afirmou.

"Acho que o ocidente está tentando fazer com que abandonemos o tratado de não-proliferação, mas não temos nenhuma intenção de nos retirarmos dele", acrescentou.

O regime iraniano anunciou no dia 29 de novembro que iniciará um projeto para a construção de dez novas centrais de enriquecimento de urânio, em uma decisão que foi entendida como um desafio por grande parte da comunidade internacional.

O próprio Salehi disse que a medida era a resposta do Irã à resolução de condenação contra seu país, aprovada dois dias antes por 25 dos 36 países que integram o Conselho de Governadores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). EFE jm/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.