Tamanho do texto

Até primeira prévia de janeiro, indicador acumula aumento de 4,26% em 12 meses

selo

A primeira prévia do IGP-M caiu 0,01% em janeiro, após subir 0,04% em igual prévia em dezembro do ano passado, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). A taxa ficou dentro do piso das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo AE-Projeções (de -0,12% a 0,30%), e abaixo da mediana das expectativas (0,0%). Valor do indicador fechou primeira prévia negativo, o que significa que houve uma deflação.

O IGP-M é muito usado para reajuste no preço do aluguel. Até a primeira prévia de janeiro, o índice acumula aumento de 4,26% em 12 meses. O período de coleta de preços para cálculo da primeira prévia de janeiro vai de 21 a 31 de dezembro do ano passado.

Atacado

A deflação chegou ao fim no setor agropecuário atacadista. Os preços dos produtos agrícolas atacadistas subiram 0,82% na primeira prévia do IGP-M de janeiro, após queda de 0,51% em igual prévia em dezembro. Mas no setor industrial no atacado, os preços continuaram a cair, com taxa negativa de 0,60% na primeira prévia de janeiro, contra deflação de 0,04% em igual prévia no mês anterior.

A inflação atacadista medida pelo IPA-M acumula alta de 3,32% em 12 meses até a primeira prévia do IGP-M de janeiro.No atacado, os preços dos produtos agropecuários mostram inflação de 2,69% em 12 meses. Já os preços dos produtos industriais no atacado subiram 3,55% em 12 meses, até a primeira prévia.

Os aumentos de preços de mandioca - aipim (10,69%); soja em grão ( 1,53%); e ovos (5,44%) foram os mais expressivos entre os produtos pesquisados no atacado na primeira prévia de janeiro. Já as mais expressivas quedas de preço no atacado foram registradas em minério de ferro (-5,88%); bovinos (-3,15%); e carne bovina (-4,35%).

Varejo

A inflação varejista medida pelo IPC-M subiu 5,62% em 12 meses até a primeira prévia do IGP-M de janeiro. Na margem, a aceleração na taxa do IPC-M da primeira prévia de dezembro para igual prévia em janeiro (de 0,33% para 0,56%) foi causada por acréscimos nas taxas de variação de preços em três das sete classes de despesa pesquisadas.

O destaque foi, novamente, o grupo Alimentação. A inflação no setor acelerou de 0,20% para 1,33% de dezembro para janeiro. Nesta classe de despesa, o fim de deflação em hortaliças e legumes (de -7,44% para 6,30) no período contribuiu para a forte expansão de preços.

Entre os produtos pesquisados no varejo, as altas mais expressivas na primeira prévia de janeiro foram registradas nos preços de tomate (17,88%); batata-inglesa (8,44%); e plano e seguro saúde (0,57%). Já as mais expressivas quedas de preço foram apuradas em limão (-17,27%); passagem aérea (-8,44%); e refrigerador e freezer (-4%).

Construção

A inflação na construção civil apurada pelo INCC-M acumula elevação de 7,29% até primeira prévia do IGP-M de janeiro. A desaceleração na taxa do INCC-M, da primeira prévia de dezembro para igual prévia em janeiro(de 0,71% para 0,10%) foi causada principalmente pelo retorno à estabilidade nos preços de mão de obra (de 1,19% para 0,00%) no período.

Entre os produtos pesquisados, as altas de preço mais expressivas na construção na primeira prévia foram registradas em cimento portland comum (0,62%); tijolo/telha cerâmica (0,46%); e massa de concreto (0,36%). Já as mais expressivas quedas de preço foram apuradas em condutores elétricos (-1,46%); vergalhões e aramez de aço ao carbono (-0,17%); e madeira para telhados (-0,12%).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.