Tamanho do texto

Após quatro meses em aceleração, a inflação das famílias mais pobres caiu quase pela metade em julho. As quedas ou aumentos menos intensos dos alimentos levaram o Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1) - que abrange famílias com renda de 1 a 2,5 salários mínimos mensais - à variação de 0,61% em julho, ante 1,29% de junho.

Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), que anunciou ontem o índice, foi o segundo menor resultado do ano para o indicador, que deve continuar a desacelerar este mês.

O comportamento dos preços dos alimentos respondeu por 91% da perda de ritmo do IPC-C1 de junho para julho, disse o economista da fundação André Braz. A taxa de inflação do setor despencou de 2,5% para 0,98%. Entre os destaques, estão desacelerações de preços e deflações em arroz (de 14,37% para 0,72%); feijão (de 15,51% para 6,01%) e hortaliças e legumes (de 0,96% para -2,41%). Alimentos de peso na formação do cálculo do IPC-C1 podem continuar a subir menos ou até cair, pelo menos até setembro. "Há grande chance de o IPC-C1 de agosto ser menor do que o de julho", afirmou o economista.

A continuidade do cenário de alimentos mais baratos pode ajudar a reduzir a taxa em 12 meses do indicador, atualmente em 9,46%, a mais intensa desde o início da série histórica, em janeiro de 2004. Mas o economista alertou que ainda não há certeza sobre a sustentabilidade desse comportamento da inflação até o fim de 2008.

"Não é porque os preços dos alimentos estão subindo menos agora que vão continuar assim para sempre." Segundo Braz, os fundamentos de demanda forte e oferta de estoques reduzidos, principalmente no setor de alimentos, permanecem no cenário macroeconômico. Itens de peso podem voltar a subir nos últimos meses do ano, como carnes bovinas e derivados de trigo. "Não estamos, definitivamente, livres de pressões nos preços dos alimentos no segundo semestre."

Caso os preços dos alimentos voltem a subir, a inflação medida pelo IPC-C1 será a mais pressionada, já que as famílias de renda mais baixa gastam em torno de 40% de seu orçamento mensal com comida. Braz alertou ainda que, ao longo de 2008, a inflação mensal medida pelo IPC-C1 sempre ficou acima da média apurada pelo Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR), que calcula a variação de preços entre famílias com renda maior, entre 1 e 33 salários mínimos.

Em julho, o IPC-BR subiu apenas 0,53%. Isso porque a disparada dos preços dos alimentos não afetou tanto as famílias de renda mais alta, que gastam cerca de 27% do orçamento com alimentos.

Porém, se os preços dos alimentos permanecerem mais baixos, como no cenário atual, o IPC-C1 pode apresentar, pela primeira vez no ano, taxa mensal abaixo da apurada pelo IPC-BR. "Mas essa hipótese é muito otimista", comentou o economista da FGV, destacando que, no momento, há uma distância expressiva, em pontos porcentuais, entre os resultados mensais dos dois índices.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.