Tamanho do texto

Governo húngaro pretendia subordinar o BC do país a uma nova Autoridade Estatal de Supervisão de Entidades Financeiras

Após as críticas lançadas pela União Europeia, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, anunciou nesta sexta-feira desistiu de fundir o banco central com uma nova entidade supervisora, assegurando que o banco emissor seguirá independente. Em declarações à rádio pública, o político conservador indicou que não vê problemas em retificar várias polêmicas leis aprovadas graças à maioria absoluta que dispõe no Parlamento, o que custou à Hungria a abertura de três procedimentos de punição por parte de Bruxelas .

Orbán indicou que acredita ser possível fechar um acordo político com a Comissão Europeia e explicou que não será difícil modificar essa legislação. A Comissão Europeia explicou que os procedimentos são voltados basicamente contra as reformas que ameaçam a independência do banco central e da autoridade responsável pela proteção de dados.

O Governo pretendia subordinar o BC a uma nova Autoridade Estatal de Supervisão de Entidades Financeiras, cujo chefe seria nomeado pelo presidente, em uma mudança que deixava o atual governador do banco emissor em segundo plano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.