Tamanho do texto

BRASÍLIA - Segundo o presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), Paulo Godoy, o governo deve anunciar, nos próximos quinze dias, medidas específicas para estimular a construção civil e reduzir os efeitos da crise na economia brasileira. O empresário, e outros representantes da indústria nacional, participaram nesta quarta-feira de um encontro com Mantega, em Brasília.

Durante o encontro, Goboy disse que o governo mais "ouviu do que falou" e não foi apresentada nenhuma nova medida para combater os efeitos da crise financeira global.  O empresariado também lembrou Mantega que somente uma redução da taxa básica de juros (Selic) reduzirá o custo do dinheiro dentro do País.

Paulo Godoy comentou que o ministro concorda que é preciso adotar medidas para desonerar os investimentos do setor produtivo e que é esperada uma retomada do crédito de forma competitiva.

Além de linhas de financiamento e da desoneração fiscal, os empresários defenderam mecanismos de segurança jurídica nos acordos com os trabalhadores. "Existe essa necessidade durante a realização dos acordos entre empresas e trabalhadores. É preciso segurança", disse Godoy.

Redução da Selic

Durante a reunião, o presidente do Bradesco, Márcio Cypriano, teria pleiteado a antecipação da reunião do Conselho de Política Monetária (Copom), marcada para os próximos dias 21 e 22 de janeiro. O objetivo seria anunciar o mais rápido um corte da taxa básica de juros (Selic). A conversa foi relatada pelo presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC), Paulo Safady.

Paulo Godoy, da Abdib, taxou como um "milagre" um representante da Febraban defender a queda dos juros, o que confirma a urgência do corte por parte dos membros do Copom.

No encontro, que durou cerca de três horas, os empresários relataram as dificuldades enfrentadas devido à crise financeira. "Os impostos federais representam 9% de uma casa popular, queremos que isso caia a zero. Não sabemos como o governo vai agir ", disse Paulo Safady, representante do setor da construção.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.