Tamanho do texto

Entre as medidas discutidas estão a criação de uma sobretaxa para importações e a elevação do IOF indiscriminadamente para operações cambiais

selo

Setores do governo defendem ações mais agressivas para defender a indústria nacional do que as medidas em gestação no Ministério da Fazenda, que devem ser anunciadas na terça-feira. O 'Estado' teve acesso a detalhado estudo feito por técnicos do governo a pedido do ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel.

Governo instalará 19 conselhos de competitividade na próxima terça

Isenção de IPI já rendeu R$ 19 bi em recusa fiscal para empresas

Sob o título "Indústria de transformação e concorrência externa predatória, uma proposta de mitigação dos efeitos", o documento é uma apresentação de 35 slides, que expõe duas propostas "complementares" para "aumentar a competitividade da indústria da transformação e mitigar o problema cambial".

A primeira proposta é a desoneração da folha de pagamentos combinada com a criação de uma sobretaxa para os produtos importados. A segunda é elevar o IOF indiscriminadamente para todas as operações cambiais.

Apresentadas por Pimentel, as medidas são consideradas uma brusca mudança na condução da economia pela equipe do ministro Guido Mantega. Procurada, a assessoria do ministério do Desenvolvimento disse apenas que "a discussão (desoneração da folha) está no âmbito da Fazenda" e não quis comentar o estudo.

Governo cede R$ 35 bi em desonerações ao setor privado em 2012

Montadoras terão que acumular pontos para ter IPI reduzido nos carros

Desonerar a folha de pagamentos é uma proposta de campanha da presidente Dilma Rousseff. O maior empecilho sempre foi a restrição orçamentária. O documento aponta uma saída ao sugerir a criação de uma Cofins (Contribuição para o Financiamento de Seguridade Social) adicional e um mecanismo de crédito tributário para a indústria. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.