Tamanho do texto

Londres, 7 mar (EFE).- O Estado britânico aumentará sua participação no Lloyds Banking Group dos atuais 43% para 65%, confirmou hoje o próprio banco.

Como parte do acordo entre o Tesouro britânico e a entidade, o Estado garante 260 bilhões de libras (290 bilhões de euros) em ativos tóxicos do banco - dívidas incobráveis e ativos de risco -, dentro da aplicação de seu programa de proteção de ativos.

Fora isso, a entidade liberará créditos no valor 28 bilhões de libras (31,175 bilhões de euros) que serão postos à disposição de empresas e pessoas físicas nos próximos dois anos.

O Lloyds se viu obrigado a buscar ajuda estatal como consequência de sua fusão com o Halifax Bank of Scotland (HBOS), que recentemente informou sobre prejuízo próximo a 11 bilhões de libras (12,25 bilhões de euros).

Em uma operação apoiada pelo Governo, o Lloyds havia adquirido em janeiro passado o HBOS, na busca por evitar a falência desse grupo bancário.

Na semana passada, havia sido o Royal Bank of Scotland (RBS) que colocou sob sua proteção ativos tóxicos no valor de 325 bilhões de libras (364 bilhões de euros).

Em 19 de fevereiro, o Governo Gordon Brown anunciou o início do Programa de Proteção de Ativos, a fim de garantir os investimentos e dívidas tóxicas dos bancos para que possam retomar os níveis normais de concessão de créditos.

Ao recorrer ao plano, as entidades devem informar ao Estado sobre quanto esperam perder por culpa de seus ativos tóxicos, e o Tesouro pode assegurar até 90% dos prejuízos adicionais previstos. EFE pa/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.