Tamanho do texto

No Chile, fusão da TAM com a LAN enfrenta dificuldades; LAN adiou para março de 2012 o prazo para conclusão do acordo

Aeronaves da Gol e da Varig, no aeroporto de Congonhas
AE
Aeronaves da Gol e da Varig, no aeroporto de Congonhas
A Gol avalia formar uma parceria estratégica com outras companhia aéreas, mas a empresa não está negociando nenhum acordo neste momento. A afirmação é da vice-presidente de mercados e novos negócios da Gol, Claudia Pagnano. 

A empresa negou novamente que tenha mantido conversas com a LAN sobre uma eventual fusão. A companhia chilena afirmou que poderia procurar a Gol se o negócio com a TAM for vetado no Chile.
“A negociação é da LAN com a TAM”, diz a executiva.

O presidente da LAN, Enrique Cueto, prorrogou o prazo para a conclusão da fusão com a TAM para março de 2012, segundo o jornal Valor Econômico. As aéreas antes tinham esperanças de concluir o acordo neste ano ainda. A fusão, porém, enfrenta resistência das autoridades antitruste no Chile.  

Segundo a vice-presidente da Gol, a empresa poderia estudar parcerias se elas estivarem de acordo com sua estratégia de atuação.

“Hoje, não vemos a necessidade de fechar parceria com outras companhias aéreas. Mas, se nosso futuro passar por parcerias nas quais nos encontramos estrategicamente, poderemos vislumbrar esse caminho”, diz a executiva.

Em entrevista jornal chileno El Mercurio no dia 28 de maio, o gerente-geral da LAN, Ignacio Cueto, afirmou que poderia pocurar a Gol caso fosse vetada a fusão com a TAM. “Ao final (se for reprovado), vamos procurar um 'second best' (segunda opção). Podemos ir falar com a Gol, que não sei se estará disponível, mas que sua internacionalização não se compara com a da TAM", disse Cueto. “Também procuraremos por opções que não sejam desse tipo (fusão)”, acrescentou.

Leia também:

Gol prevê reajuste de 5% no preço das passagens neste trimestre

Cinzas de vulcão levam ao cancelamento dos voos entre Brasil e Argentina


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.