Tamanho do texto

Segundo a associação, a solução é eficiente apenas para casas e galpões com ar condicionado, casos restritos em São Paulo

Os benefícios ambientais em pintar de branco todos os telhados da cidade de São Paulo são questionáveis, segundo especialistas consultados pelo iG . A proposta se baseia na campanha One Degree Less, da organização não governamental GBC Brasil, e está em trâmite na Câmara Municipal.

A campanha One Degree Less defende o uso de telhados brancos para reduzir o aquecimento global e o consumo de energia. Trata-se de uma iniciativa da ONG Green Building Council promovida desde 2008 em todo o mundo. No Brasil, ela conta com o apoio de celebridades como o músico Toni Garrido, a atriz Fernanda Paes Leme, a modelo Caroline Bittencourt e até o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Um dos argumentos a favor da medida é que ela poderia trazer economia de energia ao reduzir a temperatura das residências e, consequentemente, o uso de ar condicionado. As coberturas escuras criam ilhas de calor que favorecem o aquecimento global. “Se todos os grandes centros do mundo adotassem, poderíamos reduzir a temperatura global em um grau Celsius”, afirma Felipe Faria, gerente de relações institucionais da GBC Brasil.

O Secovi (sindicato da habitação) não é contra a campanha em si, mas contra a criação de um projeto de lei para obrigar a população a pintar de branco o telhado dos imóveis. Para a associação, a medida só possui efeito em galpões industriais ou casas com ar condicionado, modalidades que representam um número pequeno de edificações em São Paulo.

“É um ganho ambiental restrito a poucas edificações. No conjunto da cidade, a economia de energia será desprezível”, diz Hamilton de França Leite Junior, diretor de sustentabilidade do Secovi (sindicato da habitação).

A associação não é a única a pensar desta forma. “Todo o ganho ambiental será anulado pelos impactos do aumento da produção de tintas”, diz João Sette Whitaker Ferreira, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP.

A manutenção também é um entrave para aplicação da medida em todos os imóveis da cidade. Segundo Michel Burg, consultor em engenharia civil, os moradores terão que limpar os telhados a cada três meses para manter a cor branca na cidade de São Paulo. “A poluição deixará o telhado cinza em poucos meses. É um custo extra para os condomínios totalmente inútil”, diz Burg.

Para ele, a solução pode fazer sentido no exterior, mas não é adequada para o mercado imobiliário no Brasil. Nos Estados Unidos, o telhado padrão é preto ou cinza escuro e o ar condicionado é um utensílio comum. Já no Brasil, as telhas são mais claras – em geral de cerâmica ou amianto – e poucas pessoas têm ar condicionado.

“Aqui, muitos não têm nem condições de pintar a parede de casa, muito menos o telhado. Não podemos importar a ideia sem avaliar nossas particularidades”, diz Burg.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.