Tamanho do texto

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, descartou que a queda no valor de mercado da companhia esteja ligada às especulações sobre a criação de uma nova estatal do petróleo que poderia enfraquecer a empresa. Segundo Gabrielli, a queda acompanha a desvalorização do petróleo, um movimento de curto prazo e que deve ser invertido.

'Não, acredito que a queda do valor de mercado está associada ao preço do petróleo, como caiu a Shell e como caíram todas as empresas (petrolíferas) do mundo', disse ele a jornalistas durante evento do Programa Ambiental da companhia.

Para o executivo, a queda do preço do petróleo não é definitiva, e ele prevê que o preço subirá assim como caiu.

'Da mesma maneira que quando o preço chegou ao recorde a gente disse que era alta de curto prazo, da mesma maneira achamos que é também um movimento de queda de curto prazo', disse ele.

'É previsível que estejamos em uma tendência de queda, mas não é definitiva, vai voltar a crescer'.

PRÉ-SAL

Ele se recusou a comentar sobre a possível criação de uma empresa para gerir os recursos do pré-sal afirmando que 'nada está decidido' e que só vai discutir o assunto no âmbito da comissão interministerial criada pela presidência.

Perguntado se a Petrobras teria condições de explorar sozinha as áreas do pré-sal, como já foi especulado por alguns defensores da nacionalização da commodity, Gabrielli lembrou que são necessários muitos recursos para desenvolver o pré-sal 'até porque é uma província extremamente grande e o que conhecemos hoje é limitado'.

A faixa do pré-sal se estende por 800 quilômetros do Espírito Santos a Santa Catarina e até o momento apenas 25 por cento foi explorada.

Na bacia de Santos a Petrobras perfurou sete blocos e apenas no de Tupi avançou até estimativas de reservas, que podem conter de 5 a 8 bilhões de barris de óleo equivalente, quase a metade da reserva atual da empresa.

'Tupi, com o conhecimento que nós temos, dá para desenvolver, mas o problema são as áreas que não conhecemos, e que devem ser tratadas de forma diferente.'

Segundo Gabrielli, para as áreas não-conhecidas é necessário 'um novo marco regulatório, uma nova situação e novos investidores'.

Os recursos para o desenvolvimento no campo de Tupi e dos outros blocos que a Petrobras possui com parceiros na bacia de Santos estarão incluídos no plano de negócios 2009-2013 que está sendo elaborado pela Petrobras e deve ser divulgado em setembro.

Gabrielli não quis antecipar em quanto deverá aumentar o atual plano de 112,7 bilhões de dólares até 2012.

'Temos 2.500 projetos em análise, não dá para saber ainda', explicou.

(Reportagem de Denise Luna)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.