Tamanho do texto

Embaixador da França no País afirma que nova postergação da aquisição de caças para a FAB será uma desilusão

selo

O governo francês está confiante em que o Palácio do Planalto tomará uma decisão, até o final do ano, sobre a compra de caças para a Força Aérea Brasileira (FAB). Mas o embaixador da França no País, Yves Saint-Geours, deixou claro que uma nova postergação do caso será uma "desilusão".

A suspensão da compra, no início de 2011, devido ao corte orçamentário de R$ 50 bilhões feito pelo governo brasileiro, foi compreendida pelos franceses, que querem vender para a FAB o caça Rafale, da Dassault. Segundo o embaixador, ministros e a própria presidente Dilma Rousseff foram claros acerca da falta de "espaço" para discutir a aquisição das aeronaves em momento de aperto das contas públicas.

Mas Saint-Geours lembrou que as autoridades brasileiras sinalizaram que a decisão sobre a compra seria tomada em algum momento de 2012. "Será uma desilusão não ter uma solução este ano", disse o embaixador.

Além da francesa Dassault, a americana Boeing e a sueca Saab estão na disputa para a venda de 36 caças para a FAB, um negócio estimado em quase R$ 12 bilhões. Em setembro de 2009, durante visita do presidente francês, Nicolas Sarkozy, ao Brasil, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que a prioridade do governo era comprar os caças Rafale.

Escolha política

Para o embaixador francês, existem "boas perspectivas" para que a proposta da Dassault vença a disputa com o F-18 (Boeing) e Gripen (Saab). "Consideramos que o principal nesta questão é a produção conjunta da aeronave, com a transferência de tecnologia. Essa transferência é uma escolha política que já fizemos", disse.

A parceira firmada entre Brasil e França para a produção no País de helicópteros e submarinos é citada pelo embaixador como um exemplo "concreto" do que os franceses pretendem fazer em relação aos caças para a FAB. "A base é sempre a mesma. Trabalhamos com as mesmas perspectivas", disse o embaixador.

A decisão da Índia de escolher, no final de janeiro, a Dassault para fornecer 126 caças à Força Aérea do país também é citada por Saint-Geours como outro elemento que pode ajudar os franceses a vencer a disputa no Brasil. "A compra da Índia tem significado muito forte", disse.

A compra dos caças pelos indianos voltou a mexer com os interessados na licitação brasileira. O negócio, avaliado em quase US$ 10,4 bilhões, apostam autoridades brasileiras, servirá para que o preço dos Rafale seja reduzido para o Brasil, porque aumentará o número de unidades fabricadas.

Se o contrato for efetivamente firmado com o governo da Índia, esta será a primeira venda de exportação do caça francês. A presidente Dilma estará na Índia no final do mês e certamente conversará com o governo indiano sobre as condições da negociação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.