Tamanho do texto

Viena, 20 out (EFE).- O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu hoje às nações desenvolvidas da Europa que apliquem uma "consolidação fiscal crível" para sustentar a recuperação econômica do continente e minimizar o impacto sobre o crescimento.

Viena, 20 out (EFE).- O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu hoje às nações desenvolvidas da Europa que apliquem uma "consolidação fiscal crível" para sustentar a recuperação econômica do continente e minimizar o impacto sobre o crescimento. No relatório "Perspectivas Econômicas Regionais Para a Europa", apresentado em Viena, o FMI destaca que uma melhora da política fiscal "fomentará a credibilidade dos ajustes fiscais" aplicados pelos Governos nos últimos meses. "Embora a política econômica dessas reformas seja complicada, ela promete uma Europa muito mais forte. Os responsáveis políticos devem aproveitar o momento e agir com audácia", recomendam os analistas do FMI. Como já tinha antecipado em seu relatório econômico mundial no início de outubro, o FMI confirma no documento emitido hoje que o crescimento dos países da zona do euro será de 1,7% neste ano e de 1,5% em 2011. Com esses números, a zona do euro seguirá atrás das grandes economias da Ásia e dos Estados Unidos, devido a ajustes fiscais esperados na Europa para 2011 e à rigidez estrutural, como no mercado de trabalho, de bens e de serviços. Por sua vez, os diferenciais de crescimento no seio da União Europeia (UE) se ampliam entre os países do norte, como Alemanha e Suécia, e os do sul, como Espanha, Portugal e Grécia. Em geral, a projeção positiva para a zona do euro contém riscos, como a possível incapacidade de alguns países de aplicar as políticas anunciadas, lembra o Fundo. Além disso, o FMI constata a possibilidade de uma "renovada volatilidade" nos mercados financeiros e de dívida soberana no Velho Continente. O relatório prevê também um período de baixa inflação que se estenderá até o ano que vem. Para 2010, a taxa estimada é de 1,6% e, para 2011, de 1,5%. A mais longo prazo, a inflação na zona do euro deve se manter em torno de 2%, nível máximo imposto pelo Banco Central Europeu (BCE), segundo os analistas do FMI. Diante da perspectiva de inflação moderada, acompanhada por um fortalecimento do setor bancário, a política monetária na Europa "pode e deve ser flexível". "O BCE deve estar pronto para ajustar o horizonte de sua política de juros baixos e adotar medidas monetárias extraordinárias, caso recuperação seja interrompida de forma inesperada", recomenda o FMI. Por isso, prosseguir com a consolidação fiscal é a tarefa "mais crucial" a curto prazo, embora também seja a mais difícil de sustentar. EFE jk/sa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.