Tamanho do texto

Para especialistas, vender aplicações no prejuízo só se estiver precisando do dinheiro

E agora? Dica é só vender Ibovespa no prejuízo se estiver precisando do dinheiro
Getty Images
E agora? Dica é só vender Ibovespa no prejuízo se estiver precisando do dinheiro
Apesar da alta do mercado de ações em janeiro, as perspectivas para a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) este ano não são das melhores. Para analistas, quem comprou um fundo de Ibovespa ou produtos que replicam o índice e estiver com prejuízo só deve vender sua posição se estiver precisando do dinheiro. Mas as chances de recuperar as perdas parecem estar somente num prazo bem mais longo.

Bovespa tem volume financeiro recorde em 2011

“Investidores do varejo pouco sofisticados tendem a fazer movimentos errados em bolsa”, diz Rodolfo Amstalden, analista e sócio da casa de investimentos Empiricus. “Ele tende a entrar no topo, quando a Bolsa está valorizada, e vender na baixa, quando há problemas.” Segundo ele, o investidor não deve seguir o efeito manada, mas agir com convicção própria. “Não deve sair apenas por medo. Deve esquecer o dinheiro por um tempo na Bolsa, pois muitas vezes esse é um mercado de retorno a longo prazo.”

Os especialistas consultados acreditam que a situação vá melhorar em 2012, mas as chances de ganhos do Ibovespa, o principal indicador da praça paulista, são pequenas. “Eu não venderia agora. Esse ano será melhor que o ano passado”, diz o gestor Valmir Celestino. Na opinião dele, a Europa continuará aprovando medidas a conta-gotas, empurrando a crise com a barriga. Se entrar em recessão, acredita, será muito menor do que a sentida em 2009. Além disso, comenta, a liquidez financeira no mundo é grande e o Banco Central Europeu está garantindo compras de títulos do continente. Mas ele alerta que ainda é cedo para dizer se a Bolsa renderá mais que um CDI, por exemplo.

Para Lika Takahashi, estrategista-chefe do Banco Fator, se o investidor pessoa física que aplicou em Ibovespa está com algum lucro, deve vender sua posição. Além disso, ela critica a postura de se colocar mais dinheiro sobre uma posição que está dando prejuízo. “Não vale a pena colocar dinheiro bom sobre dinheiro ruim”, afirma. Quem pode, acredita a estrategista, deve deixar o dinheiro na renda fixa. Na Bovespa, só valem aplicações que exigem um nível maior de sofisticação, que são as apostas em empresas específicas.

“Tem algumas ações defensivas, que possuem fluxos de caixa consistentes e pagam bons dividendos”, comenta a especialista. A mesma opinião tem Amstalden. Ele não costuma trabalhar com projeções para o Ibovespa, mas diz que um preço-alvo informal para o final de 2012 seria 65 mil pontos, ou seja, cerca de 8% de alta em relação ao patamar de hoje.

Na Empiricus, a meta é justamente não apostar no Ibovespa, mas tentar sempre superá-lo. “Não ficaria no Ibovespa, é muito arriscado. Continuo preferindo ações defensivas, como as elétricas Cemig, Eletropaulo, Terna e Coelce. Outras boas opções também são Comgás, AmBev e Cielo.”

Veja também:

Bolsas mundiais perdem R$ 11,7 trilhões em 2011

Cielo e Redecard lideram altas do Ibovespa em 2011

    Leia tudo sobre: bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.