Tamanho do texto

Vivenda do Camarão surgiu da dificuldade do empresário Fernando Perri em importar produtos gráficos dos EUA

O que você faria se trabalhasse como importador de produtos gráficos em meados da década de 1980 e, impedido de continuar com seu negócio dali em diante, se visse apenas com um contêiner lotado de camarão? Vender seria uma opção razoável, mas quem viveu a situação acabou transformando o problema em uma franquia líder de mercado no Brasil e com forte presença internacional. Atualmente, a bandeira fatura R$ 200 milhões ao ano.

Assim começou a história da Vivenda do Camarão, do empresário Fernando Perri, que será explicada adiante. Isso porque a relação do empreendedor com o crustáceo começou bem no início dos anos 1980: para driblar barreiras de importação, ele começou a trocar cargas de camarão com empresários parceiros nos Estados Unidos para conseguir trazer em maior quantidade todo o tipo de material e maquinário gráfico vendido por eles.

Dificuldade de importação fez Perri largar importadora e apostar na Vivenda do Camarão
Divulgação/Vivenda do Camarão
Dificuldade de importação fez Perri largar importadora e apostar na Vivenda do Camarão

“No início da década [de 1980] começou a ter muito problema de importação, então a troca era uma maneira de conseguir continuar importando a quantidade que eu precisava (...) foi aí que meu importador me disse ‘o que você tiver de camarão aí, pode mandar pra cá’”, conta Perri, que então começou a comprar o fruto do mar de pescadores em Lagoa dos Patos (RS) e exportá-lo como moeda de troca.

Naquele momento, o empresário não tinha nenhuma intenção em largar o ramo gráfico. No entanto, uma nova mudança nas regras da balança comercial – bem pouco tempo depois da solução vinda do sul do País – subiu a régua de corte e inviabilizou a troca de produtos para pequenas empresas. Foi aí que Perri se encontrou na situação narrada no início deste texto, na qual ele mesmo faz o trocadilho do container de camarão como sendo um “pepino” em suas mãos. Apesar disso, a essa altura, a experiência da compra de camarões em Lagoa dos Patos já tinha lhe rendido um bom conhecimento sobre o produto. “Comecei a entender de camarão e o que o Brasil exportava era de muito melhor qualidade. Percebi que dava para fazer aqui uma via mais direta da produção de alta qualidade até o consumidor final com um preço justo, queimando várias etapas de logística e distribuição”, explica.

Início tragicômico (de sucesso)

Resultado disso tudo: em 1984, o empresário fechou a importadora gráfica e comprou um restaurante recém-falido na Rua Arapanés, em Moema, bairro da zona oeste de São Paulo. Na frente do estabelecimento ainda em reforma, uma faixa prometia “Em breve, o melhor camarão do Brasil a um preço justo” e a inauguração para cerca de três meses depois, no Dia dos Namorados daquele mesmo ano.

Inauguração da primeira unidade do Vivenda do Camarão fez cair a energia do bairro de Moema
Divulgação
Inauguração da primeira unidade do Vivenda do Camarão fez cair a energia do bairro de Moema

O primeiro dia, como Perri mesmo conta, foi um episódio que pode ser descrito como tragicômico de sucesso. “Fui para casa [no dia da inauguração] e, quando voltei, estava tudo engarrafado. Eram mais de mil pessoas querendo ir ao meu restautante”, disse, lembrando que a luz do bairro caiu tamanha era a demanda por energia do estabelecimento. “Foi até bom a energia ter caído, porque eu não tinha nenhuma condição de atender a toda aquela gente”.

Depois da confusão inicial, a primeira Vivenda do Camarão fez sucesso com pratos da preferência pessoal de Perri e receitas familiares, sempre com a presença de pessoas ilustres da época, incluindo militares e famosos, que gostavam de garantir seus assentos com antecedência.

Modelo de culinária rápida, abraçado em 1989, possibilitou a grande expansão da marca
Divulgação
Modelo de culinária rápida, abraçado em 1989, possibilitou a grande expansão da marca

Um ano depois, veio mais um restaurante, este no Jardim Europa, no mesmo modelo. Em 1988, a Vivenda do Camarão foi o primeiro restaurante a se estabelecer dentro de um shopping center no Brasil – foi no Shopping Morumbi, em São Paulo, onde abriram-se as portas para o conhecido modelo de culinária rápida, que expandiu a marca e faz sucesso hoje.

Atualmente, a Vivenda do Camarão tem 157 restaurantes, sendo 116 sob o controle da franqueadora de Perri e 41 unidades franqueadas. A operação ocorre em todo o País, em países da América Latina e também nos Estados Unidos. Em ranking divulgado em setembro pela Fundação Dom Cabral, a rede aparece em sétimo lugar entre as franquias brasileiras com maior índice de internacionalização.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.