Tamanho do texto

Empreender não precisa ser sinônimo de abrir mão do período de descanso. Confira as dicas de como organizar a agenda e evitar o estresse de ficar ausente da empresa

Planejamento em conjunto com a equipe é essencial
Thinkstock Photos
Planejamento em conjunto com a equipe é essencial

Deixar o emprego formal para iniciar um negócio próprio pode ser libertador. Empreender é a oportunidade de investir nas suas ideias e colocar em prática a estratégia que julga melhor para o sucesso empresarial. Porém, com o aumento das responsabilidades, o gerenciamento do tempo se torna um grande desafio. Um dos principais problemas vem do desejo de alcançar metas no plano de negócios que muitas vezes acabam adiando o necessário período de descanso, podendo causar desgastes físicos, psicológicos e, em alguns casos, no relacionamento familiar.

Bruno Fucci Junior é um exemplo disso. Depois de abrir sua primeira ótica, após deixar o emprego com carteira assinada em uma instituição financeira, demorou um ano e meio para tirar as primeiras férias. “Eu fui obrigado a tirar férias, já que estava prestes a me casar e planejava a lua de mel”. O empresário conta que o começo foi bem difícil. “A loja fica aberta durante o fim de semana, e aprender a programar esses períodos de descanso precisou de uma boa adaptação da minha parte”.

Celso Bazzola, consultor em recursos humanos e diretor executivo da BAZZ Estratégia e Operação de RH, explica que quem decide abrir o próprio negócio precisa passar por uma mudança cultural e disciplinar. “O empreendedor precisa adotar medidas e se organizar para usufruir de suas férias com tranquilidade, sem que esse período de descanso e revigoramento tenha influência negativa por causa dos excessos de responsabilidades que um dono de negócios possui”.

Fucci conta que hoje, agora dono de quatro franquias, trabalha em esquema de banco de horas com seus gerentes, que ficam responsáveis durante a sua ausência. O empresário também nunca deixa para tirar férias durante dias de pagamentos, quando sua presença é fundamental. “Na época em que eu tinha carteira assinada podia tirar trinta dias seguidos de férias. Hoje não consigo mais fazer isso, e o máximo de tempo que fico ausente são duas semanas”. Além disso, tanto ele quanto seus funcionários tendem a tirar férias no começo do primeiro semestre do ano, quando as vendas são menores e o comércio menos aquecido.

Bazzola explica que avaliar as características dos clientes e mercado é importante para entender períodos de sazonalidades e necessidades. “Descobrir épocas de menor atividade do mercado facilita criar um cronograma de trabalho que distribua as necessidades conforme o período de descanso, ou vice-versa”. O especialista também aconselha treinar equipes ou profissionais para atender as necessidades e demandas que possam surgir durante o tempo em que o dono estiver ausente. “Evitar períodos muito longos e antecipar tarefas e ações antes das férias são também recomendadas para que o descanso não se torne uma preocupação”.

Confira abaixo as dicas para os donos de negócios curtirem as férias sem dor de cabeça :

– Avalie as características de clientes e mercados para entender períodos de sazonalidades e necessidades;

– Escolha períodos em que haja por costume uma menor atividade do mercado ;

– Crie um cronograma de trabalho que distribua as necessidades conforme o período de descanso

– Evite estender por muitos dias sua ausência e fracione seu descanso em etapas e épocas diferentes de acordo com as características dos clientes e mercado;

– Antes de sair de férias, antecipe suas tarefas por prioridades e complexidade;

Treine equipes ou profissionais focados em atender necessidades e demandas do cliente durante o período de seu descanso;

– Crie, dentro da equipe e processos, níveis de decisão que possa pré-informar as melhores alternativas aos comandados.

    Leia tudo sobre: empreendedorismo
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.