Tamanho do texto

Longe das academias de musculação, empreendimentos oferecem exercícios de estimulação da capacidade cognitiva

Criada em 2006 pelo engenheiro Antonio Carlos Guarini Perpétuo, , a Supera utiliza apostilas, ábacos, jogos didático-pedagógicos, dinâmicas e vídeos motivacionais para exercitar o cérebro
Istockphoto
Criada em 2006 pelo engenheiro Antonio Carlos Guarini Perpétuo, , a Supera utiliza apostilas, ábacos, jogos didático-pedagógicos, dinâmicas e vídeos motivacionais para exercitar o cérebro

Academias para definir os músculos e cuidar da saúde do corpo são encontradas facilmente a cada esquina. O que parece incomum é exercitar o cérebro. Longe dos aparelhos de musculação e de bicicletas ergométricas, existem empresas que oferecem o serviço de ginástica cerebral, com exercícios que têm como objetivo a estimulação da capacidade cognitiva.

Criada em 2006 pelo engenheiro Antonio Carlos Guarini Perpétuo, formado no ITA (Instituto de Tecnologia Aeronáutica), a Supera utiliza apostilas, ábacos, jogos didático-pedagógicos, dinâmicas e vídeos motivacionais para exercitar o cérebro. Além disso, há a neuróbica – atividade que estimula sinapses e cria novas redes de conexões.

Com um investimento inicial de R$ 300 mil, a primeira unidade foi aberta em São José dos Campos (SP). No entanto, devido a grande quantidade de alunos, surgiu a ideia de franquear a marca. Em julho de 2007, cadastraram-se na Associação Brasileira de Franchising (ABF) e hoje são 130 contratos de franquias vendidos em todo o País; 76 já em operação, uma delas em Lisboa.

Da igreja para a franquia

Quando o filho de Antonio Carlos Guarini Perpétuo tinha nove anos, tinha dificuldades de concentração. Para tentar cuidar do problema do menino – muito comum entre crianças –, o engenheiro buscou alternativas e métodos de estimulação cerebral. Durante essa pesquisa, viu eficiência no ábaco, um objeto muito utilizado para fazer cálculos.

Após perceber que a falta de concentração não era um fator que atrapalhava somente a vida de seu filho, o empresário reuniu um grupo de alunos, contratou uma professora de soroban (ábaco japonês) e começou a dar aulas em uma igreja. Depois do sucesso da escola, Perpétuo deixou de lado a rede de lojas de couro que possuía para investir em um negócio de estimulação cerebral.

Leia também:  Vale do Silício brasileiro reúne 20 startups em um único condomínio

Depois de muitos testes realizados por pedagogos e professores, o método foi aperfeiçoado para se tornar mais eficiente. Para isso, o capital de giro teve de ser alto.

Segundo Victor Rocha, diretor de Expansão da Supera, ter uma unidade fora do País é muito gratificante, mas que a prioridade é o Brasil. “Estamos interessados em países da América do Sul, Europa e Oceania. Se aparecer alguma coisa boa, nós temos interesse, mas nosso foco principal é aqui”, conta.

A meta, segundo o diretor de Expansão, é chegar ao final do ano com 200 franquias vendidas. Para abrir uma unidade padrão, o investidor tem de desembolsar cerca de R$ 150 mil – taxa de franquia já inclusa. A previsão de retorno do capital inicial é de 24 meses, com um faturamento mensal de R$ 25 mil. O franqueador cobra 3% de fundo de propaganda e 12% de royalties sobre o lucro.

Já para os interessados em aderir ao negócio em uma cidade com até 100 mil habitantes, há a opção de microfranquias. O investimento inicial para esse tipo de unidade é de R$ 56 mil – também já inclusa a taxa de franquia. A previsão de retorno é de 18 a 24 meses e não há pagamento de royalties. 

Ginástica cerebral pela internet

Em 2009, o pedagogo Luiz Moraes e o engenheiro mecatrônico Ricardo Marchesan se juntaram para investir no negócio de ginástica para o cérebro e criaram o site Cérebro Melhor. Na página, o internauta assina um plano mensal (R$ 21,90), semestral (R$ 79) ou anual (R$ 109,90) e pode acessar de casa vários exercícios estimulantes.

A partir de uma viagem que fez para os Estados Unidos, Moraes percebeu que o conceito "brain fitness" (ginástica cerebral) era muito difundido. Assim, os sócios criaram uma empresa e firmaram parceria com o empreendimento francês Scientific Brain Training, responsável por desenvolver os jogos e exercícios juntamente com neurologistas, psicólogos, geriatras e engenheiros de TI.

Moraes conta que a Cérebro Melhor tem como tarefa a tradução e distribuição dos exercícios no Brasil. Hoje, cerca de 80 mil pessoas têm contato com os exercícios e o site já conta com mais de cinco mil assinantes.

A empresa não divulga faturamento e margem de lucro do negócio.

Palavra de neurologista

Para o médico neurologista Claudio Correa, do Hospital Nove de Julho, de São Paulo, os exercícios podem ser eficientes para as pessoas que não têm nenhuma doença degenerativa. “Para quem tem Alzheimer, por exemplo, a ginástica cerebral não serve e não muda o curso evolutivo da doença”, diz.

Segundo o neurologista, com atividade física e exercícios intelectualmente, a possibilidade de ter uma boa capacidade cerebral em relação a pessoas ociosas e sedentárias é muito maior.

No entanto, para o especialista, antes de buscar empresas que oferecem ginástica cerebral, o paciente deve procurar um médico para analisar o problema. “Esquecer a bolsa, por exemplo, muitas vezes não acontece por falta de ativação do cérebro. A pessoa pode ter um transtorno de ansiedade ou algum outro problema por trás", explica o neurologista. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.