Tamanho do texto

Falta de conhecimento, e não receio, afastam pequenos empresários da economia regular

Agência Brasil

Artigos de carnaval  na Ladeira Porto Geral, região da 25 de Março, em São Paulo
Guilherme Lara Campos/Fotoarena
Artigos de carnaval na Ladeira Porto Geral, região da 25 de Março, em São Paulo

A coordenadora da Área de Economia Criativa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio de Janeiro (Sebrae-RJ), Heliana Marinho, disse que embora o carnaval seja “o lugar do empreendedorismo”, é preciso incentivar a formalização dos empreendedores.

LEIA TAMBÉM: Cabeleireira abre salão para tirar filho das drogas e fatura R$ 36 mil

"O carnaval não é uma festa estável. A cada ano, há oportunidades e novas demandas. Nesse sentido, o empreendedorismo é sempre crescente”, salientou.

Existem iniciativas, ideias e ambiente de trabalho, disse Heliana.

"Faltam, porém, elementos do ponto de vista da formação do empreendedor, da orientação para o mercado, da determinação de preços do seu produto ou serviço e de como ele se relaciona com o ambiente de trabalho".

Segundo a coordenadora de Economia Criativa do Sebrae-RJ, essa é a plataforma de ação da entidade para o carnaval.

“Ou seja, transformar o empreendedor em um agente de negócios mesmo”.

O Sebrae-RJ é parceiro da Associação Independente de Blocos de Carnaval de Rua da Zona Sul, Santa Teresa e Centro da Cidade do Rio de Janeiro (Sebastiana), na Carnavália – 1ª Feira de Negócios e Empreendedorismo do Carnaval.

Empreendedores desconhecem a legislação

Heliana Marinho disse que a legislação do empreendedor individual favorece muito ao processo.

“Porque são negócios pequenos, onde o empreendedor precisa de mais um ajudante e atende ao enquadramento do microempreendedor individual . Tem um teto de valores pelo serviço e um pequeno desconto para impostos ou tributos de maneira geral”, disse.

LEIA TAMBÉM: Folia aquece economia do Rio de Janeiro

Heliana não percebe resistência por parte dos empreendedores que atuam no carnaval, a maioria artesãos. O que ela percebe, esclareceu, é desconhecimento da legislação. O Sebrae tem trabalhado para mostrar quais são os benefícios e como o autônomo se torna um micro empreendedor individual.

“Ele passa a ter maior estabilidade no tipo de serviço que presta. Ele pode qualificar melhor o seu serviço porque não tem só uma iniciativa; passa a ter um empreendimento. Ele pode ter um ajudante ou empregado ao qual paga até um salário mínimo, o que aumenta a escala de atuação. Além disso, ele pode ter todos os benefícios legais e fiscais de ser um agente formalizado no mercado”.

O micro empreendedor individual passa a ter benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), do Sistema Único de Saúde (SUS), licença-maternidade, entre outros, citou.

Heliana destacou que a legislação é adequada ao universo do carnaval, que é constituído de grande quantidade de pequenos e micro prestadores de serviços. Acessórios, fantasias, pinturas, maquiagem, serralheria, marcenaria, iluminação, som específico e, inclusive, logística, são áreas de atuação desses trabalhadores autônomos, listou Heliana Marinho.

A Associação de Mulheres Empreendedoras do Brasil (Amebrás) é uma entidade fundada em 1998, que atua no segmento do carnaval com a proposta de qualificar pessoas em diversas áreas e inserir os profissionais no mercado de trabalho.

Este ano, a Amebrás formou 300 pessoas, das quais 65% mulheres, em atividades ligadas de maneira direta ao carnaval. Figurino, decoração, chapelaria, customização, adereços, cenografia foram algumas das oficinas, informou a presidenta da instituição, Célia Domingues.

    Leia tudo sobre: empreendedorismo