Tamanho do texto

Clientes podem encomendar canções para dar de presente; preço vai de R$ 100 a R$ 1,2 mil

Quem nunca sonhou ter uma música feita sob medida, que retrate a sua vida e seja exclusiva? Um casal de publicitários de São Caetano do Sul (Grande São Paulo) viu nesse sonho a oportunidade de oferecer um serviço para quem deseja inovar na hora de presentear.

Na empresa My Musics , criada há dois anos e meio, Raul Crespo e Bárbara Hilsenbeck fazem músicas sob encomenda, sempre personalizadas. Para isto, basta o cliente enviar nome, apelido (se tiver), características físicas, emocionais e comportamentais do homenageado. Depois, é só escolher o ritmo.

O casal Raul e Bárbara, com Maria Clara: filha inspirou criação da empresa
Divulgação
O casal Raul e Bárbara, com Maria Clara: filha inspirou criação da empresa

Com um lucro anual médio de R$ 60 mil, os empreendedores contam que ainda estão se estabelecendo como donos do próprio negócio. Para firmar a My Musics no mercado, o casal investe na divulgação nas redes sociais e na criação de canções para famosos, como Jô Soares e Serginho Groisman. Foi assim, por exemplo, que a empresa virou notícia no programa de Ana Maria Braga, uma das homenageadas.

Outra forma de aumentar a receita é por meio de parcerias no segmento corporativo. As empresas podem encomendar músicas para uso institucional ou em campanhas publicitárias – ao preço de R$ 1,2 mil. Raul conta que também tem procurado corporações que queiram dar suas músicas de presente aos funcionários.

Veja também:  Empresa cria tour para quem quer comer doces gourmet

Trajetória

O casal de publicitários se conheceu quando trabalhava em uma agência. Depois de um tempo, se casaram e “engravidaram” de Maria Clara. Raul, que também é músico, resolveu nessa época escrever uma canção para a filha em parceria com a mulher. Quando a menina nasceu, deram o CD como lembrança para os amigos. A novidade despertou o interesse de quem visitou a pequena Maria Clara e dos funcionários da maternidade.

Bárbara e Raul viram na curiosidade dos amigos a possibilidade de investir no mercado de músicas sob demanda. Mas até que a ideia se mostrasse viável, os dois optaram por continuar em seus empregos – ela como professora universitária e ele como redator de uma agência publicitária.

Aos poucos, o casal se encorajou e passou a se dedicar apenas à empresa. “Na My Musics nós conseguimos juntar música e publicidade. As pessoas contam a história delas e nós criamos uma canção com letra e melodia próprias”, conta Raul Crespo.

O novo negócio levou Bárbara de volta à sala de aula. A empresária decidiu cursar psicologia porque queria captar melhor os sentimentos dos personagens retratados nas músicas. “Para poder transformar as histórias em música, eu faço uma escuta diferenciada, focada nos sentimentos por trás das palavras”, diz a publicitária, que também dá palestras motivacionais. Segundo Raul, o diferencial do empreendimento é captar uma característica especial, um destaque de personalidade, a fim de se fazer uma canção única.

As encomendas mais frequentes são feitos por namorados que querem dar um presente original, especialmente nas comemorações de um e de dois anos de relacionamento. Os pais também têm buscado na My Musics canções para os aniversários dos filhos. O serviço exclusivo (referente a música feita sob medida para a pessoa que será presenteada) custa R$ 600. “Nós costumamos dizer que é um presente de três minutos, mas que dura uma vida inteira, pois a música não é perecível”, afirma Crespo.

Uma alternativa para quem não quer ou não pode gastar muito é presentear com a opção mais simples, ao preço de R$ 100. O cliente tem de informar apenas os nomes (podem ser até dois) que deseja inserir na música. Então, a partir de um no modelo pronto, o homenageado é incluído em trechos da canção.

Leia também: Mortalidade de pequenas empresas atinge mínima histórica, aponta Sebrae

Ousadia e reserva financeira

Beatriz Micheleto, consultora do Sebrae de São Paulo, diz que quem quiser investir no tipo de serviço feito pelo casal “deve ser ousado e ter uma reserva financeira”. Segundo a especialista, empresas de pequeno porte geralmente começam com dívidas e isso não é o ideal, pois o lucro não será imediato e as despesas tendem a aumentar.

A consultora aconselha que o empreendedor invista na divulgação do serviço, assim como na criação, junto a um designer, de um logotipo ou de uma logomarca. Também é ideal, segundo Beatriz, ter um site com comunicação clara e concisa, além de telefone e contato da empresa logo na página principal. “O site tem de se vender sem nenhuma pergunta. Se as informações forem claras, o cliente não ficará confuso”, diz.

    Leia tudo sobre: empreendedorismo