Tamanho do texto

Órgão pediu que medida seja readequada para respeitar o Código de Defesa do Consumidor, já que notas estão em caixas eletrônicos

Portador de cédulas não será ressarcido
Dilvulgação
Portador de cédulas não será ressarcido
O Procon - órgão que defende os interesses do consumidor - solicitou esclarecimentos do Banco Central (BC) sobre a resolução que prevê o não ressarcimento de notas manchadas por dispositivo antifurto. A instituição declarou que uma medida de segurança privada natural da atividade bancária não pode ser repassada à população.

"Essas notas danificadas já circulam e estão inclusive em caixas eletrônicos. O consumidor que realizar um saque e se deparar com uma nota manchada não terá como contestar e pedir a reparação de imediato", aponta em nota. O Procon pediu ao BC que a medida seja readequada e respeite as diretrizes do Código de Defesa do Consumidor.

Além disso, o órgão recomenda atenção redobrada dos consumidores, que não devem aceitar nenhuma nota suspeita. A decisão de não ressarcir o portador de notas danificadas pelo dispositivo antifurto foi tomada ontem pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). De acordo com o BC, o objetivo da medida é dificultar a circulação de notas roubadas e reduzir os casos de furtos e roubos a caixas eletrônicos.

Veja também:

- Notas manchadas não valem mais, diz BC
- BC vai ressarcir nota a banco em caso de furto frustrado
- Brasil tem 75 mil notas com marca antifurto em circulação, diz BC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.