Tamanho do texto

Sites dos bancos Itau Unibanco e Bradesco tiveram problemas em decorrência de ataques de hackers; Santander afirma estar se protegendo há uma semana

Consumidor deve optar por ir às agências para fazer transações, diz Procon-SP
Agência Estado
Consumidor deve optar por ir às agências para fazer transações, diz Procon-SP
Para evitar que sejam prejudicados pelos supostos ataques que hackers vêm realizando aos sites de bancos brasileiros, os correntistas devem evitar usar o internet banking, que é acesso à conta corrente pela internet, diz o Procon-SP.

“A dica para o consumidor é que utilize os outros canais de atendimento do banco - telefone, caixas eletrônicos e agências bancárias – para acompanhar detalhadamente sua movimentação diária, como saques, depósitos, transferências, pagamentos e débito automático,” afirma o órgão.

Segundo o Procon-SP, enquanto os efeitos dos ataques ainda não estão totalmente esclarecidos, é bom o correntista ficar atento e, caso observe alguma movimentação indevida em sua conta, guarde documentos que futuramente possam mostrar o que aconteceu.

Leia mais: Hackers do Anonymous atacam site do Bradesco

Anonymous diz ter derrubado Itaú e promete atacar outros bancos

"Se o cliente do banco notar qualquer informação estranha em sua conta, deve procurar imediatamente a gerência do banco," acrescenta o Procon-SP, que diz ainda que a instituição financeira é responsável pela segurança do sistema de serviços que presta. O consumidor que tiver dúvidas ou quiser fazer uma reclamação, pode procurar um dos canais de atendimento do Procon-SP.

Ataques

Ontem, o site do Itau Unibanco ficou fora do ar por alguns instantes. A instituição não atribiu a indisponibilidade de seu internet banking aos ataques de hackers, mas grupo Anonymous anunciou que teria sido o responsável pelos problemas no site do banco.

Nesta terça-feira, foi a vez do Bradesco . O grupo Anonymous anunciou o ataque em uma mensagem publicada no Twitter por volta das 10h da manhã. Com a ação, os serviços de atendimento aos clientes do banco por meio do site ficaram inacessíveis.

O Santander, por sua vez, afirmou hoje em sua apresentação de resultados trimestrais que há uma semana vem se protegendo dos ataques. "Estávamos preparados há uma semana, quando surgiram rumores de que os ataques poderiam acontecer," afirmou Marcial Portela, presidente do banco no Brasil.

Quando o objetivo dos ataques é tirar sites do ar, os hackers utilizam técnicas que sobrecarregam o servidor, o que acaba derrubando a página, ou provocando lentidão. Esses ataques, sozinhos, não permitem que os invasores acessem informações dos usuários da internet. Assim, no caso dos bancos, os correntistas não correm o risco de ter suas contas ou senhas roubadas por meio destes ataques. O risco maior é que não consigam concluir suas operações caso o site do banco fique temporariamente indisponível.