Tamanho do texto

Poupança ainda é a maneira mais fácil de guardar dinheiro, não paga tributos, mas perde o rendimento com a inflação em alta

Com a queda da rentabilidade, a poupança perdeu a atratividade
USP Imagens
Com a queda da rentabilidade, a poupança perdeu a atratividade

A inflação perto dos dois dígitos tira toda a atratividade da caderneta de poupança, a maneira mais tradicional de guardar dinheiro no País. Para celebrar o dia 31 de outubro, Dia Mundial da Poupança, o iG  conversou com dois especialistas em finanças pessoais para levantar qual a melhor forma de fugir das perdas. Hoje a poupança rende perto de 6% ao ano mais a TR (taxa referencial, que dificilmente passa de 0,5%), enquanto a inflação nos últimos 12 meses está em 9,56%, segundo o Instituto Brasileiro de Goegrafia e Estatística (IBGE).

O administrador de investimentos Fabio Colombo explica que a queda pela procura da Caderneta de Poupança no Brasil é decorrente da deterioração da economia. "Com a queda no nível do emprego e a redução da massa salarial, as pessoas recorrem as reservas para pagar contas. Além disso, a elevação dos juros, tem feito o rendimento da poupança perder feio para a inflação, com seu poder de compra caindo muito em relação a outros investimentos, como os fundos DI e Certificados de Depósitos Bancários [CDBs], que têm pequenas taxas de administração. Também perde em rendimento para as letras de crédito imobiliárias e agrícolas [LCI, LCA que não tem cobrana de Imposto de Renda) e para o Tesouro Direto", analisa Colombo.

O administrador ressalta que a poupança é muito tradicional e o primeiro local onde as pessoas guardam seus recurso. "A liquidez é mensal. Se você saca antes do aniversário da caderneta, perde em rendimento, mas é uma tranquilidade pode sacar a qualquer momento, não paga taxa de administração, o rendimento é igual em qualquer banco. É realmente o local mais fácil para guardar dinheiro, mas eu não chamaria de investimento."

"Quando falamos em investimento em renda fixa a poupança vai ser um dos piores investimentos do ano, com certeza. Já na renda variável, a minha aposta de pior resultado é para a bolsa de valores, que pode cair mais que a poupança", afirma Colombo. O especialista avalia que o País passa por um momento de paralisia, fortemente pressionado pela crise política. "O governo não tem força para mudar isso, reduzir juros, fazer a economia voltar a crescer no médio prazo. O pior do horror é que o horror não tem fim. Não temos indicativos de melhora no radar."

Conheça quatro passos fundamentais para poupar

Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) ensina que para aprender a guardar dinheiro o mais importante é ter um propósito. "Todo dia é dia da Poupança, mas isso é simbólico e a data não é apenas para lembrar da caderneta de poupança. Quer ensinar a necessidade de poupar, reter, guardar. Falar sobre como proteger o seu dinheiro, investir." 

Domingos define que o poupador precisa responder a quatro perguntas para ter sucesso para fazer uma poupança. São elas:

1) Qual o meu propósito?

2) Em quanto tempo eu quero obter o meu propósito?

3) Quanto vou poupar por mês para atingir meu propósito?

4) Quanto tempo preciso para atingir meu propósito dentro desse planejamento?

Segundo Domingos, o erro recorrente das pessoas é não ter objetivo com o próprio recurso. "É preciso ter sonho, meta e planejamento para poupar. Poupar é guardar e investir é aplicar o recurso guardado em locais onde ele vai se potencializar. Se o poupador souber, tiver um horizonte do que quer e quanto pode se empenhar pelo sonho há pouca probabilidade de errar."

Por que poupança é um mico e quais vantagens ainda existem?

Domingos lembra que a caderneta de poupança passou por mudanças recentes, influenciadas, no primeiro momento, pela queda dos juros básicos, a taxa Selic, que chegou a 7,25% em abril de 2013 e fez a lucratividade da poupança subir. Isso incomodou o mercado financeiro que viu a atratividade da poupança crescer e fez o governo criar um mecanismo para inibir os depósitos . No momento atual, inverso, a taxa de juros está em 14,25%, mas a inflação corrói o ganho .

"É um dos mecanismos mais populares do País porque dá menos trabalho para aplicar o dinheiro. Qualquer leigo faz uma poupança e o rendimento é igual em todos os bancos. Por ausência de educação financeira as pessoas usam mais a caderneta no Brasil, que deve ser usada no curto prazo, até uns seis meses. Outras vantagens: não há incidência de IR e Fundo Garantidor dá garantia de R$ 250 mil sobre o investimento", explica Domingos.

Ele lembra, no entanto, que o Tesouro Direto também pode ser sacado diariamente, rende o dobro da poupança. "Mas para se aplicar no Tesouro Direto é precisa ter um agente, ou corretora de valores. Mesmo com as simplificações recentes do governo não é tão simples como a poupança. Nada é."

A taxa referencial (TR) é a remuneração básica no País. É usada para pagar os juros básicos nos títulos do Tesouro Nacional, na caderneta de poupança. É calculada na média dos juros pagos pelas trinta maiores instituições financeiras, a cada dia, em seus CDBs. 

Balanço dos rendimentos em 2015 

O administrador Fabio Colombo fez um balanço com o rendimento dos principais investimentos neste ano, até o dia 29 de outubro.
Dólar + 44,85%

Ouro + 39,55%

Euro + 31,08%

Títulos indexados ao IPCA  + 14,10% (indicativo)

Fundos DI  + 10,96% (média)

Fundos de Renda Fixa + 10,91% (média)

CDB + 10,48% (indicativo)

Poupança + 6,62%

Bolsa  - 8,76%

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.