Tamanho do texto

O campeão de alta foi o açaí, que sofreu elevação de 20,79%; batata-inglesa foi único item do grupo com recuo no preço

A inflação voltou a subir em novembro, com alta de 0,51%, ante 0,42% outubro, com forte influência vinda da elevação do preço dos alimentos – grupo que causa impacto na vida de consumidores de todas as classes sociais. Mas você sabe quais alimentos tiveram as maiores altas neste ano?

O açaí foi o campeão de alta, 20,79% no ano. Alimento-base das refeições como almoço e jantar no Estado do Pará, o fruto amazonense há anos caiu no gosto dos consumidores de todo o Brasil, mas na forma de alimento energético, doce, gelado e batido com frutas e mel. 

Os segundo e terceiro lugar desse ranking encarecem a salada do brasileiros, com a cenoura, com elevação de 19,20% no ano, seguida pela cebola (17,95%).

Em quarto lugar em aumento de preços no ano, ficou a carne (17,81%). Segundo o IBGE, os principais motivos para a variação do preço foram a seca e os embates comerciais entre a Rússia e os Estados Unidos, que favorecem a exportação das carnes brasileiras. A seca prejudica pastos e faz com que o pecuarista compre mais ração, aumentando o custo. O IBGE destaca que as exportações do Brasil têm aumentado, principalmente para a Rússia, que deixou de comprar dos EUA para comprar do Brasil.

O quinto alimento com maior variação de preço, e preferência nacional das crianças no café da manhã, é o iogurte, com elevação de 9,67% no ano.

Em sentido oposto, apenas a bataba-inglesa registrou queda de 8,81% no preço.

De acordo com os dados divulgados nesta sexta-feira (5), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação oficial registra no acumulando no ano uma alta de 5,58% e  elevação de 6,59% no acumulado dos últimos 12 meses (acima da meta do governo, de 4,5%, com margem de 2 pontos percentuais, sendo tolerada até 6,5%).