Tamanho do texto

Com menos gastos, jovens podem guardar parte do salário para acumular capital; mais velhos devem optar por investimentos mais conservadores

Quando se é novo, tudo é festa. Por isso poucos pensam em formar uma reserva financeira nos primeiros anos de vida profissional, quando os gastos são menores, mas a vida social é mais agitada. No entanto, guardar parte do salário e começar a investir o quanto antes podem fazer a diferença entre passar uma velhice mais tranquila financeiramente ou mais apertada, segundo especialistas consultados pelo iG .

Comece a se planejar no início da vida profissional para assegurar uma aposentadoria tranquila
Thinkstock/Getty Images
Comece a se planejar no início da vida profissional para assegurar uma aposentadoria tranquila

Segundo o professor Bolivar Godinho, do laboratório de Finanças da Fundação Instituto de Administração da USP, os objetivos de vida mudam conforme a pessoa envelhece, assim como os gastos. Mas, de uma forma geral, jovens que estão iniciando a vida profissional se preocupam mais em consolidar a carreira do que os mais velhos. Confira, abaixo, quais as despesas que mudam em cada faixa de idade e saiba como otimizar seus investimentos e construir um patrimônio a partir da folga no orçamento.

Aos 20 anos

Nessa faixa de idade, o jovem, no início da vida profissional, tende a investir mais em educação e em especialização, explica o professor Roberto Piscitelli, do departamento de ciências contábeis da UnB. Além dessas despesas educacionais, eles destinam parte do que ganham em boates e barzinhos, assim como em viagens. Isso porque têm uma disponibilidade de renda grande frente às suas próprias necessidades, complementa Otto Nogami, professor de economia e finanças do Insper.

“Ele geralmente mora com os pais e não tem despesas em termos de manutenção do domicílio”, ressalta. Mas, ao mesmo tempo, o jovem começa a se preocupar em ter seu próprio espaço. Então parte da poupança formada vai ser destinada a dar entrada na casa própria. “O que deve ser enfatizado é que, desde quando o indivíduo começa a trabalhar, deveria guardar pelo menos 20% da renda”, completa.

Leia : Quer poupar e não sabe como? Aprenda com o jogo da poupança

É nessa idade também que deve-se começar a pensar em contratar uma previdência privada, indica Nogami. “A aposentadoria pública é muito limitada, e se o profissional estiver em um alto cargo e não tiver previdência, vai perder renda”, adverte. Atualmente, o teto do benefício está em R$ 4.136,68.

Com mais tempo até a aposentadoria pela frente também dá para planejar melhor em que investir para ter uma renda maior no futuro. “Uma pessoa de 20 anos que vai construir sua aposentadoria tem mais prazo e pode destinar um percentual maior a essas aplicações. Ela pode fixar 30%, 50% em produtos mais agressivos, porque a aposentadoria vai acontecer daqui a 20 ou 30 anos”, afirma o educador financeiro Mauro Calil.

Mais : Calcule como chegar a R$ 1 milhão

Isso porque caso algo dê errado em seus investimentos, o jovem tem tempo de reconstruir suas aplicações financeiras. “Quanto mais prazo você tiver, via de regra vai ter mais renda variável nos seus investimentos”, diz. Mas essa opção também não significa que o investidor vá correr riscos ‘absurdos’, afirma o educador financeiro. “Ele pode optar por produtos com riscos moderados, como fundos de investimento imobiliário ou derivativos”, ressalta.

Da mesma forma, renda fixa não deve ser vista como sinônimo de rentabilidade que não cobre a inflação. “Pode sair da poupança e caminhar para LCI (Letras de Crédito Imobiliário), LCA (Letras de Crédito do Agronegócio) ou CDBs de bancos menores, porque vai ter rentabilidade maior do que renda fixa e também de forma conservadora”, diz Calil.

Aos 30 e 40

Os filhos geralmente são as principais preocupações de quem está na faixa etária entre os 30 e 40 anos. Gastos com educação, vestuário e alimentação aumentam bastante nessas faixas. “Agora que ele casou e teve filhos, a educação vai ser prioridade até o filho chegar em idade universitária. É preciso custear as despesas mesmo que ele faça uma faculdade pública”, afirma Godinho, da FIA-USP.

Também : Onde investir em 2013

A partir daí, o filho já entra no mercado de trabalho e passa a ter ganho próprio, mas pode haver casos em que ele opta por fazer um mestrado ou ter uma experiência internacional. “A partir da independência dos filhos, caem as despesas”, ressalta o professor. Ao mesmo tempo, nessa faixa há ainda objetivos de curto e médio prazo, como adquirir um novo carro e programar viagens de férias.

Segundo Nogami, do Insper, nessa faixa é preciso formar também uma poupança de emergência, para não mexer no dinheiro que está sendo aplicado para a aposentadoria. Além disso, os investimentos devem ser diversificados de forma que metade esteja em renda variável e metade em renda fixa, por exemplo. “CDBs, a poupança e ou títulos do governo são mais recomendadas à medida que pessoa vai envelhecendo”, ressalta.

Aos 50

Nessa idade aumentam as preocupações com a aposentadoria, e também os gastos com saúde. “Na velhice, a mudança de perfil de consumo leva a dispêndios médicos maiores do que quando tinha 40 ou 30 anos”, ressalta Nogami, do Insper. Além disso, os planos de saúde começam a encarecer a partir dos 50 anos. “Estudos indicam que nos dez últimos anos de vida da pessoa ela gasta mais do que em todo o período anterior, principalmente com remédios”, diz Godinho, da FIA-USP.

Veja também : Onde investir até R$ 10 mil?

Esse público dedica uma parcela dos gastos a excursões em grupo ou individuais, e também ajuda os filhos a cuidar dos netos. Mas quem está nessa faixa tem uma sobra de dinheiro que pode tentar engordar sua aposentadoria. “A partir dos 50 anos, a maior parte da poupança deve ser colocada no tipo de aplicação no risco próximo a zero”, recomenda Nogami.

Isso porque ao contrário do que acontece quando se é jovem, se houver uma eventualidade e a pessoa perder tudo, não tem prazo para recuperar o prejuízo. “Ainda que de forma mais conservadora, ela vai ter que buscar produtos com rentabilidade acima da média, ainda que seja renda fixa, ou variável, como fundos de investimento imobiliário”, conclui Calil.