Tamanho do texto

Pesquisa da Anefac mostra que taxa média do rotativo do cartão de crédito caiu 0,28 ponto porcentual em setembro, de 10,69% para 10,41% ao mês

Agência Estado

Pela primeira vez após 33 meses sem registrar nenhum movimento, ignorando a trajetória de redução dos juros básicos (Selic), a taxa média do rotativo do cartão de crédito caiu 0,28 ponto porcentual em setembro, de 10,69% para 10,41% ao mês. É o que mostra a Pesquisa de Juros da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

De agosto de 2011 a setembro deste ano, a Selic caiu 5 pontos porcentuais, de 12,5% ao ano para 7,5% ao ano - o levantamento não alcançou o corte de 0,25 ponto decidido pelo Comitê de Política Monetária (Copom) na semana passada, que levou a Selic para 7,25% ao ano. Das taxas das seis linhas de crédito pesquisadas, todas foram reduzidas no mês.]

MaisApós trocar cheque especial por crédito mais barato, é preciso ter cuidado

A taxa de juros média para pessoa física apresentou redução de 0,21 ponto porcentual no mês, passando de 6,02% em agosto para 5,81% no mês passado. Para pessoa jurídica, a taxa de juros média das três linhas pesquisadas caiu 0,13 ponto porcentual, passando de 3,44% ao mês em agosto para 3,31% ao mês em setembro. Nos dois casos, a taxa de juros caiu para a menor taxa da série histórica, desde 1999.

Entre as taxas cobradas das pessoas físicas, a maior redução foi verificada nos juros do comércio, que caíram de 4,55% ao mês em agosto para 4,20% ao mês em setembro, queda de 0,35 ponto porcentual. Entre as taxas oferecidas às pessoas jurídicas, o maior recuo foi registrado nos juros para desconto de duplicatas, que passaram de 2,46% ao mês em agosto para 2,26% ao mês em setembro, diferença de 0,20 ponto.

TambémSPC: 41% dos brasileiros estavam inadimplentes em agosto

"A nossa expectativa é de que as taxas de juros voltem a ser reduzidas nos próximos meses por conta da melhora da economia e pela maior competição no sistema financeiro após os bancos públicos promoverem reduções em suas taxas de juros, bem como pela expectativa de redução dos índices de inadimplência no segundo semestre", afirmou o coordenador de estudo da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.