Tamanho do texto

Custos com corretagem e custódia têm que entrar na conta quando o investidor for decidir onde colocar seu dinheiro

O advogado Guilherme Forte Saliba, de 27 anos, é um investidor. Ele compra ações de empresas brasileiras de seu computador, em casa, via home broker, o sistema de operação individual pela internet. Para isso, precisou abrir uma conta em uma corretora de valores que oferecesse a plataforma. Na hora de escolher entre as mais de 80 casas existentes no País, ele levou em conta o custo de corretagem, que é o preço que as empresas cobram para realizar a compra e a venda das ações. “Escolhi a mais barata”, conta.

O investidor Guilherme Saliba: entre mais de 80 corretoras, ele ficou com a mais barata
Eduardo César/Fotoarena
O investidor Guilherme Saliba: entre mais de 80 corretoras, ele ficou com a mais barata

A corretagem é um dos principais custos que os investidores devem levar em conta na hora de escolher uma corretora de valores. Ele não é, contudo, o único. Avaliar todos os custos é importante para o investidor melhorar o desempenho de suas aplicações.

No caso da corretagem, os custos variam entre R$ 5 e R$ 20 nas maiores corretoras brasileiras (veja tabela abaixo). Quando as ordens de compra são feitas por telefone e realizadas por um operador da corretora, os custos são maiores e, em geral, seguem uma tabela sugerida pela BM&FBovespa. Neste caso, os preços variam de acordo com o montante movimentado.

Para investidores mais assíduos, essa despesa com a corretagem faz muita diferença. De olho neles, muitas empresas oferecem pacotes ou promoções no estilo “a partir da 80ª operação, a corretagem é gratuita”. No entanto, o investidor que não opera com muita frequência não deve se guiar apenas por esse custo.

Custódia entra nas contas

Outra taxa importante a ser considerada é a de custódia, que é o preço para a “hospedagem” dos ativos. Como geralmente é cobrada mensalmente, um investidor que compra uma ação com objetivo de vendê-la a longo prazo pagará mais vezes a taxa de custódia do que a de corretagem. Assim, vale a pena buscar uma corretora que ofereça isenção da taxa.

Rafael Giovani, gerente comercial da UM Investimentos, ajudou o iG a criar um exemplo que mostre essa diferença entre as duas cobranças: um investidor que comprou mil ações de uma empresa por R$ 30 mil, em janeiro deste ano, e vendeu em novembro, por R$ 42 mil. Consideramos que a corretora cobrou R$ 14 de corretagem na compra e mais R$ 14 na venda. Pela custódia, foi cobrado um valor de R$ 13,75 ao mês. Com o custo da compra e da venda, ele gastou um total de R$ 28. Já em custódia, pagou R$ 137,50.

Para investir em ações são cobrados ainda outros custos, que são os emolumentos, a liquidação, o Imposto Sobre Serviços (ISS) e o Imposto de Renda (IR). No entanto, essas taxas são estabelecidas pela BM&FBovespa e pelo governo e são sempre iguais. Há também uma taxa sobre custódia, que varia de uma corretora para outra. É preciso estar atento a esse custo, pois em muitos casos há isenção e, em outros, a taxa chega a superar R$ 20 ao mês.

Serviços agregados

Mas, antes de analisar os custos, o investidor deve fazer uma avaliação de seu perfil e deve definir seu objetivo, segundo o consultor financeiro André Massaro. “Para quem não é muito ativo no mercado, é importante optar por uma empresa que ofereça análises e que tenha um atendimento mais personalizado. Mas isso tudo encarece”, diz. Como o único canal de cobrança das corretoras é a corretagem, os custos dos serviços extras acabam sendo embutidos nas taxas.

Já o investidor que possui um conhecimento maior do mercado sabe avaliar as empresas e possui boas fontes de informação pode pagar menos. É o caso de Saliba. “Esse serviços são totalmente inúteis para mim. Toda a informação que preciso, eu vejo na internet”, afirma.

Para ele, a excelência tecnológica também não é um quesito determinante. “Atrasos em operações são aceitáveis no meu caso. Mas sei que um profissional e com mais recursos jamais aceitaria uma falha no suporte”, afirma. Esse investidor precisa de confiabilidade, velocidade e estabilidade, segundo Massaro.

É também o caso de quem tem mais dinheiro. Para esse investidor, a escolha mais comum é uma corretora com sistemas avançados, totalmente seguros e com atendimento especial. Para isso, pagam mais. “É a taxa de conveniência”, brinca Massaro. Neste grupo também estão os investidores que preferem que um operador da corretora realize suas operações. Em geral, as ordens são feitas por telefone.

Ranking das 10 maiores corretoras brasileiras de varejo Preço da corretagem no home broker*
Interfloat R$ 15
Ágora R$ 20
XP Investimentos R$ 14,90
UM Investimentos R$ 14
Banif R$ 15,99
TOV R$ 5
Gradual Investimentos R$ 20
Bradesco R$ 10
Título R$ 10
Ativa R$ 15
*alguns preços dependem de condições específicas                                                                        Levantamento do iG com corretoras

Fundos e clubes

Mas existe uma forma de investir em ações driblando os principais custos, lembra Giovani. “O investidor pode optar por clubes de investimentos e os fundos de ações, que não cobram custódia”, diz. No entanto, possuem taxas de administração, que variam entre as corretoras e, em alguns casos, há taxas de performance.

No caso dos fundos, são comuns taxas de administração entre 0,5% ao ano e 3,5% ao ano. O gerente da UM Investimentos diz que os fundos são, em geral, mais apropriados para quem tem mais dinheiro. “Quando o capital do investidor é baixo, ele acaba perdendo em remuneração”, afirma.

Em todos os casos, a recomendação do consultor André Massaro é que o investidor se familiarize com o site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) . “É a cereja do bolo. Lá ele pode ver se a corretora está autorizada a operar e saber quais foram aquelas que tiveram mais reclamações”, afirma.