Publicidade
Publicidade - Super banner
Finanças Pessoais
enhanced by Google
 

As perspectivas mudaram. E seus investimentos?

Cada investidor possui suas próprias limitações, seu próprio planejamento financeiro e a sua tolerância aos mais variados riscos

Eduardo Jurcevic |

Não temos mais dúvida que o cenário econômico brasileiro mudou para melhor. Temos taxas de juros mais baixas que no passado - mesmo com a recente elevação nos juros em 0,75 ponto percentual - perspectivas positivas para o crescimento da economia nos próximos anos, consistência na condução da política fiscal e monetária, renda em alta e desemprego em queda. E mesmo com vários aspectos que ainda precisam ser desenvolvidos, como o aumento dos investimentos em infraestrutura, não se pode ignorar esse melhora.

Sergio Zacchi
Conhecer suas preferências de risco é fundamental, diz Jurcevic
E como o Brasil e o cenário são diferentes, o investidor precisa também estar preparado para uma mudança de comportamento se quiser aproveitar as oportunidades futuras. Para isso, um processo de investimento adequado e diversificação da sua carteira são fundamentais.

Todo investidor deseja acertar a escolha do produto de aplicação, a melhor oportunidade de mercado e o tempo certo de fazer as modificações na sua carteira. Porém, mesmo quando a intuição está correta, ela é somente uma parte do nosso processo de investimento e não pode ser a única forma de montar o portfólio.

Na maioria das vezes, o investidor foca toda a sua energia em estratégias de investimento e se esquece do ponto mais importante, que é o entendimento das funções do processo de aplicação. Esse processo começa com o conhecimento das suas preferências de risco, limitações, objetivos, prazo e a escolha do produto.

As necessidades de cada investidor são únicas e, por isso, o conhecimento das mesmas é a primeira e talvez a mais importante etapa desse processo. Cada investidor possui suas próprias limitações, seu próprio planejamento financeiro e a sua tolerância aos mais variados riscos, sem falar nos mais diversos objetivos. Por isso, uma única sugestão de diversificação dos investimentos não pode ser considerada para todos.

O fato é que para investir e seguir os passos acima, não existem milagres e devemos ter a consciência que a possibilidade de fazer poupança está totalmente ligada ao controle do orçamento e disciplina.Com exceção das atividades empreendedoras e heranças, a forma mais eficaz de garantir a aposentadoria é buscar o superávit nas suas contas, ou seja, a receita (salários, recebimento de aluguel) menos as despesas (gastos com educação, alimentação) que indicará sua capacidade de fazer poupança.

Definido o nosso potencial de poupança, precisamos investir sempre e isso implica em desistir de impulsos de consumo no presente.

Outra importante característica do processo de investimento é a disciplina de manter a estratégia definida. As constantes mudanças de ativos são saudáveis, desde que venham acompanhadas de uma redefinição dos objetivos do investidor. A tentativa de acertar o momento certo de entrada e saída de determinados ativos e mercados é extremamente arriscada, podendo acarretar em retornos indesejados ao investidor. Por isso, manter uma estratégia de investimento de longo prazo e não esquecer que a paciência é uma virtude fundamental na hora de investir é a melhor recomendação.

Cada vez mais encontramos investidores dispostos a correr mais risco, e diversificar parece que é um caminho sem volta. Conhecendo o seu perfil e considerando o cenário acima é altamente recomendável a divisão de investimentos. Há opções conservadoras, como Fundos DI e CDB pós fixado, para ter parte dos seus recursos com liquidez e assim prontos para uma emergência ou uma oportunidade. Outra saída são fundos de Capital Protegido, que aproveitam a alta da bolsa mas preservam o capital investido e a última parte em ações.

Com certeza, com o entendimento das funções de um processo de investimento adequado, as chances de obter êxito nos seus objetivos de investimento serão consideravelmente ampliadas e estarão alinhadas com as profundas mudanças que o mercado de Investimentos está vivendo.

Eduardo Jurcevic é Superintendente de Investimentos do Grupo Santander Brasil
eduardo.jurcevic@santander.com.br

Leia tudo sobre: investimentosaplicaçõesrisco

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG